1 milhão de veículos em SP não fizeram inspeção veicular


Licenciamento de 43,5% dos 2,3 milhões que já deveriam ter sido vistoriados foi bloqueado

Fabio Mazzitelli

Um milhão de veículos da frota paulistana convocada para a inspeção veicular ambiental não apareceu para realizar o teste que regula a emissão de poluentes na capital. O número representa 43,5% dos 2,3 milhões de veículos que já deveriam ter sido vistoriados e regulados até o fim do mês passado. Por força de lei municipal, esse conjunto de veículos, equivalente a um sexto da frota registrada na capital, teve o licenciamento bloqueado no Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran-SP), está sujeito à multa de R$ 550 se for flagrado trafegando pela cidade e precisa acertar a situação até 31 de janeiro.

A inspeção ambiental foi criada para reduzir a emissão veicular de poluentes e está sendo implementada de forma gradativa na capital paulista desde 2008. Neste ano, o teste é obrigatório para 2,5 milhões; em 2010, toda a frota paulistana de 6 milhões de veículos será convocada, a partir de fevereiro.

A frota ausente de 1 milhão é o resultado de tabulação feita com base nos dados fornecidos pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. A pasta fez um balanço do programa até 30 de novembro, data em que o prazo final para a inspeção já havia expirado para 90% da frota convocada. A maior parte do grupo obrigado a fazer a inspeção neste ano é formada por cerca de 1,5 milhão de automóveis fabricados entre 2003 e 2008, uma frota considerada “jovem” e que, portanto, estaria mais legalizada e assim mais suscetível a fazer o teste.

ADESÃO

Tomando por base somente a frota para a qual o prazo já estourou, a adesão dos carros gira em torno de 73%, o maior comparecimento entre todos os tipos de veículos convocados. As motos continuam a ser as vilãs do programa até agora. A adesão das motocicletas é a mais baixa: apenas 28% de comparecimento na parcial de 30 de novembro. Os 741 mil veículos de duas rodas registrados na capital foram convocados (veja mais no quadro ao lado).

Mesmo entre os cortes, o índice está abaixo do fixado após um “corte de evasão” de 25%, estimativa de não comparecimento delimitada pela concessionária Controlar, que executa o programa, e pela Prefeitura. Esse corte teria por base informações do Detran sobre veículos não regularizados ou por falta de licenciamento ou por falta de baixa no sistema, em casos de destruição ou transferências de localidade. O órgão estadual de trânsito nunca confirmou oficialmente a evasão citada e diz não haver estatísticas sobre a frota que trafega ilegalmente na capital. “Os carros que foram exigidos há mais tempo já cumpriram aquela meta (75%) e até ultrapassaram essa frota estimada, porque é uma frota mais moderna. Os demais vão fazer isso nos meses que faltam, dezembro e janeiro”, afirma Eduardo Jorge, secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente.

O balanço indica uma progressividade na adesão, de acordo com o andamento do calendário de inspeção. Os grupos de veículos com prazo vencido há mais tempo são os que têm os maiores índices de comparecimento. Os automóveis com final de placa 1, cujo prazo expirou em 30 de abril, lideram os índices de adesão, com 82,2%, e os três grupos seguintes de carros estão acima dos 75%. “A adesão aumenta conforme o programa avança e isso se aplica a quem fez o licenciamento antecipado (em janeiro). Na cabeça desse proprietário, a questão está resolvida. Ele só vai se dar conta de que precisa fazer a inspeção para conseguir licenciar em janeiro de 2010”, afirma Eduardo Rosin, diretor da Controlar.

DADOS DE POLUIÇÃO

Para cada 12 veículos vistoriados pelo programa que pretende melhorar a qualidade do ar da capital, um foi forçado a regular a emissão de poluentes. De 1,3 milhão de veículos submetidos ao teste ambiental, 110 mil foram reprovados no primeiro teste. Os demais 1,2 milhão, ou 91,89% do total, foram aprovados.

O alto índice de aprovação direta se refletiu até nos grupos mais poluidores, como nos veículos a diesel e nas motos. O
Fonte: O Estado de São Paulo