A força do silêncio

Mercedes-Benz ML 320 CDI
No painel, um monitor mostra o que se passa na traseira, com a ré engatada. E só mesmo a tampa do seu tanque de combustível para provar a condição de veículo diesel.

Chicolelis – DCarro – 4/1/2009 – 19h40

Andando, ele se comporta como um modelo a gasolina: muito rápido e silencioso.Depois de rodar 424 quilômetros, o tanque chegou ao meio e paramos para abastecer junto à bomba de diesel. O frentista, solícito e gentil: – desculpe, mas o senhor parou na bomba errada. Esta aqui é de diesel e este carro é gasolina.

– Não, este carro usa diesel!

– Desculpa moço, mas não acredito, acelera aí pra eu ouvir.

Entendendo a confusão, atendemos ao pedido do frentista. Diante do som de um motor a gasolina, ele nos olhou, ainda incrédulo, e foi lá abrir a tampa de acesso ao tanque.

– E não é que é diesel mesmo! Eu não acreditava até agora, é muito silencioso. Foi mal!

Mas não foi só o frentista do posto em Santos (SP) a ficar surpreso com o silêncio do motor da Mercedes-Benz ML 320 CDI. Todas as pessoas que andaram no carro nos cinco dias de testes ficaram impressionadas com o seu som. Rodando a 120 km/h em rodovias de boa qualidade é possível ouvir o rádio no volume 5 sem nenhuma interferência externa. Para isso, o ventilador do ar tem que estar na posição 1, já que ele é a única coisa barulhenta na ML diesel.

Isto significa que você pode passar horas dirigindo a ML 320 CDI que, ao final da viagem, não continuará ouvindo o insuportável e característico barulho do motor diesel, mesmo depois que o mesmo foi desligado.

O conforto não está apenas no silêncio, mas também na ergonomia do interior do veículo. O ajuste – elétrico – dos bancos beira à perfeição. Movendo para a frente, para trás, para cima e para baixo ou ajustando o encosto na região lombar você consegue sentar exatamente da maneira mais conveniente para o seu corpo.

Os comandos estão todos à mão, desde a pequena alavanca do câmbio automático (Ré, Drive e Parking), passando pelas borboletas para troca de marchas sequencial e piloto automático, som, ajuste do volante elétrico. Tudo fácil. Tudo prazeroso.

Números de esportivo – Além de silencioso, o modelo Mercedes-Benz é muito bom de performance: com 224 cavalos no motor V6, com 4 válvulas por cilindro e 2.983 cm³, atinge 215 km/h e faz de 0 a 100 km/h em apenas 8,6 segundos, apesar de suas mais de duas toneladas de peso. Mas o seu torque, NM/kgfm 510/52 a 1.600-2.800 rpm, que a fábrica destaca, faz diferença. A tração é 4×4 permanente, o câmbio 7G-Tronic, automático sequencial, 4MATIC, que atua com muita suavidade na troca das marchas, automaticamente, ou mais “raçudo”, esportivo, quando acionada manualmente – pelas borboletas atrás do volante.

O consumo é respeitável para um carro do seu porte e peso: média de 10,5 no cidade/estrada. E o seu preço surpreendeu a muitos, que esperavam algo mais salgado: R$ 292 mil. Não é barato, claro, mas pode ser considerado razoável pelo que o carro oferece.

Câmera à ré – Andar de ré, por exemplo, vira quase uma diversão. Uma câmera colocada na traseira da ML mostra ao motorista o que ele precisa ver para evitar acidentes. A tela colorida fica no painel central, onde, em condições normais, está o mostrador do som.

Por falar em sistema de som, ele é o único elemento dentro do carro que não oferece a simplicidade presente em todos os outros, uma característica da marca. Enquanto o motorista descobre facilmente o funcionamento do piloto automático, o mesmo acontecendo com o computador de bordo, para inserir um CD no aparelho é preciso ler o manual. Mas o som é excelente, com potência de 610 watts, do sistema Harman Kardon Logic7.

Andando – Dirigir o ML 320 CDI é um grande prazer, até mesmo para quem prefere carros de menor porte, especialmente no trânsito de São Paulo. O fato de ser diesel não importa no seu caso. Rápido, consegue adiantar-se nas “largadas” de faróis e permanecer à frente na saída do próximo. No asfalto, respostas sempre rápidas, chegando a surpreender motor
Fonte: Diário do Comércio