Aceleramos o novo Citroën C3 que chega no ano que vem

                                                                                                                                                                                    Hatch terá a base do C3 Picasso com estilo arrojado para se aproximar do público masculino

Glauco Lucena, de Amboise (França)

Citroën C3: linhas mais arrojadas com um toque de esportividade diferem bastante da geração atual, com formas arredondadas
É bem incomum a estratégia da Citroën para a família C3, pelo menos no Brasil. O normal é o hatch ser lançado e depois começarem a surgir seus derivados. Aqui, a nova plataforma estreou com o aventureiro AirCross, seguiu com a minivan C3 Picasso, que acaba de chegar às lojas, e fechará o ciclo com o novo C3. Ele começa a ser produzido em Porto Real (RJ) no ano que vem. Por isso, fomos até a França avaliar a novidade. E acabamos rodando quase mil quilômetros com a versão 1.4 8V, de 75 cv.

Antes de mostrar em que o C3 evoluiu, vale ressaltar que o modelo produzido no Brasil terá algumas diferenças em relação ao que é vendido hoje na Europa. Mas voltaremos a esse tema mais adiante. Começando pelo visual, ele ficou mais arrojado que o atual. A impressão é que a marca pretende atrair mais compradores do público masculino, sem perder a preferência que a primeira geração tem entre as mulheres. Por isso as formas ficaram menos arredondadas. A grade bocuda invade o para-choque e tenta dar ao hatch uma “fama de mau”. Os faróis ficaram mais amplos, com a parte superior avançando sobre o capô. Não há mais tomada de ar entre os faróis; só lataria e o emblema dos dois chevrons.

Traseira segue o apelo esportivo do resto do carro e inclui lanternas invadindo parte da tampa do porta-malas
Lateralmente, a evolução é ainda mais sensível. Para começar, o hatch ficou 9 cm mais longo, o que permitiu aos projetistas reduzir o efeito de arco que existia no teto do modelo anterior. Com isso, o para-brisa do novo não é tão abaulado, evitando algumas leves distorções de visão que se verificam no C3 ainda produzido no Brasil. As portas traseiras estão visivelmente maiores, facilitando a entrada e saída dos passageiros. Um vinco estreito percorre a linha das maçanetas, enquanto outro, mais largo, enfeita a parte inferior das quatro portas.

Volante cm base achatada é o mesmo do C3 PicassoMas é olhando de trás que o carro fica irreconhecível para quem se acostumou com a geração anterior. As lanternas triangulares e altas deram lugar a formas retangulares, com um prolongamento superior que invade a tampa do porta-malas. E a placa desceu da tampa para o para-choque, deixando o visual mais limpo e moderno. Falando em porta-malas, ele ficou um pouco menor – levava 305 litros, agora leva 300 l. Ainda é um dos melhores do segmento, mas tem a boca muito alta. Como minha mala era bem pesada, exigiu um esforço extra para chegar até a base da tampa. E, depois, outro para acomodar no piso, que é fundo – outra opção é largar e torcer para não quebrar nada.

No conjunto, o novo C3 está mais bonito e deverá dar um fôlego ao modelo que foi lançado aqui em 2003 e teve um levíssimo facelift em 2008. Rodando, não se notam tantas evoluções assim. O mais nítido é a melhoria na estabilidade, muito em função do alargamento do carro em quase 7 cm, além do maior comprimento. Com isso, a estabilidade melhorou, mesmo que a altura não tenha mudado. Nas curvas à beira do rio Loire (região com infindáveis castelos ao sul de Paris), o carro transmitiu segurança, mesmo em velocidades mais altas. E a direção elétrica é precisa, além de muito leve em manobras de estacionamento.

O motor da unidade alugada era o 1.4 8V de 75 cv, mais fraco que o 1.4 flex brasileiro, de 82 cv. Em compensação, com o uso de materiais mais modernos, o novo C3 ficou 60 kg mais leve. Com a boa gasolina francesa, o carro responde bem na cidade e oferece agilidade quando solicitado. Mas, na estrada, o motor trabalha a um giro muito elevado e não passa confiança para ultrapassagens em pistas de mão dupla. Além disso, sofre um pouco em subidas. Seria pior se o ar estivesse ligado – não foi necessário, pois estava em pleno inverno europeu.

Acabamento caprichado na versão topo de linha com ban
Fonte: Auto Esporte