Álcool combustível nos EUA custa menos que no Brasil


Os consumidores americanos estão pagando menos que os brasileiros pelo álcool combustível nos postos de abastecimento. Apesar de produzido a partir do milho, a custos supostamente mais altos do que o derivado da cana de açúcar, o preço médio do E85 (a mistura de 85% de etanol e 15% de gasolina que é vendida nos Estados Unidos) é de US$ 2,11 por galão, cerca de R$ 0,99 por litro.
Ainda assim, nos EUA o álcool não consegue competir em igualdade com a gasolina, que custa em média US$ 2,50 por galão (R$ 1,18 por litro), mas proporciona maior rendimento em quilômetros rodados. A frota americana de carros com motores flexíveis atinge cerca de 9 milhões de unidades mas, ao contrário do que ocorre no Brasil, a maioria deles roda apenas com gasolina.

Além do preço do combustível de origem vegetal não ser competitivo, o E85 é vendido por apenas 2.178 postos nos EUA, de um total de 115 mil.

Frota deve aumentar – O número de veículos flexíveis nos EUA deve aumentar significativamente nos próximos anos. Até 2012, a Ford e a General Motors devem adotar a tecnologia em pelo menos metade dos modelos que fabricam no país.

Diferentemente dos carros flexíveis brasileiros, os feitos nos EUA não utilizam não usam gasolina para dar a partida a frio e não possuem tanque auxiliar. Esta é a razão para a mistura de 15% de gasolina no etanol vendido nos postos de abastecimento.

Outra diferença dos carros flexíveis americanos em relação aos brasileiros é o método para identificar o combustível que está sendo usado. Eles têm um sensor posicionado na saída do tanque que analisa o combustível antes que seja injetado no motor, enquanto o método brasileiro avalia os gases do escapamento para fazer a mesma avaliação.

O método americano tem algumas vantagens, entre elas a identificação mais rápida quando o motorista troca de um combustível para outro completamente. A única desvantagem é o custo do sensor, estimado em cerca de US$ 160 (aproximadamente R$ 288,00) por veículo.

O etanol vendido nos postos brasileiros é hidratado, isto é, quando “puro” contém entre 4% e 6% de água.

JM

Fonte: Auto Estrada