Apex-Brasil quer atrair autopeças do segmento premium

 Missão visitará empresas indicadas por Audi, BMW, JLR e Mercedes-Benz
REDAÇÃO AB

Representantes da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – Apex-Brasil – desembarcam no próximo dia 12 na Europa com a missão de visitar empresas fabricantes de autopeças e componentes de alta tecnologia a fim de atrai-las para a cadeia de produção do segmento de veículos premium no Brasil. As companhias a serem visitadas foram mapeadas pela própria agência, pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC e indicadas por Audi, BMW, Jaguar Land Rover e Mercedes-Benz, cujos projetos de fábrica já estão a todo vapor em solo brasileiro.Para detectar as possíveis empresas a estabelecerem fábricas ou expandir operações no País, a Apex identificou junto às montadoras deste segmento os gaps na produção nacional e quais poderiam ter demanda agregada suficiente que interessasse a indústrias a abrir uma fábrica no Brasil. Entre as partes identificadas estão pneus, baterias, sistemas de injeção e componentes de segurança veicular.“Ao abordar essas empresas da cadeia de automotiva premium, queremos reduzir os custos da indústria brasileira e aumentar sua competitividade frente a outras no mundo que já se consolidaram como grandes exportadores neste segmento”, explica David Barioni Neto, presidente da Apex-Brasil. A missão liderada pela Apex prevê visitas a empresas de autopeças no Reino Unido, entre os dias 12 e 18, e na Alemanha, de 19 a 23 de outubro com o objetivo de apresentar as possibilidades de preencher lacunas da cadeia de fornecimento local. Enquanto o mercado de carros de passeio em geral amargou perdas de 0,8% em média por ano entre 2010 e 2014, os veículos premium aumentaram suas vendas em 17,5% no mesmo período. O setor responde hoje por apenas 2% do total de vendas de automóveis no Brasil, mas especialistas da Apex-Brasil defendem o potencial do mercado brasileiro e a possibilidade de aumentar esse porcentual, e citam o México como exemplo, onde os modelos de luxo têm participação de 6% do mercado de veículos de passeio. A agência também cita o dado de que o número de pessoas das classes A e B no Brasil mais que dobrou em 11 anos, subindo de 13,3 milhões em 2003 para 27,1 milhões em 2014.
Fonte: Automotive Business