Após redução do IPI, espera por carro novo chega a dois meses

Com a crise, vendas haviam despencado no fim do ano passado.
Brasileiros aproveitam desconto para comprar modelos mais completos.

Do G1, com informações do Jornal da Globo

Depois de assistir as vendas despencarem no final do ano passado, as concessionárias agora nem se lembram da crise. Há modelos com até dois meses de espera.

Um vem e compra. “É por causa do IPI”, revela o contador Getúlio Gonçalves. Logo, outro vem atrás. “Eu comprei um na semana passada e trouxe o meu tio para comprar o dele”, conta o motorista Roberto Mauro da Cunha.

É assim desde que o brasileiro experimentou o desconto no imposto. Faturar está fácil, entregar, nem tanto.

“O que aconteceu quando veio o início da crise, as fábricas diminuíram a produção. Com isso, houve a redução dos estoques, tanto nas revendas, quanto nas fábricas. Quando veio a redução do IPI e o aquecimento novamente do volume, alguns produtos ficaram prejudicados”, explica o vice-presidente nacional da Fenabrave, Joel Jorge Pasqualin.

“Nós temos carros com fila de espera de 60 dias”, diz o gerente Bruno de Araújo Fiúza.

“Você espera pelo desconto. Nós demos o nosso carro usado de entrada, ficamos com o carro até a entrega do novo. Então, para nós foi vantagem”, afirma o empresário Cleuber Gonçalves.

Carros mais completos

Muitos ainda aproveitam o desconto para escolher veículos mais completos. Em vez, do básico. “Vai vir no carro a direção, vidro e trava”, conta o autônomo Ricardo Ferreira.

Por isso, algumas vezes, o maior tempo de espera não é por um modelo popular. É por um carro com motor um ponto seis, ar e direção. A revenda não tem nenhum nem para mostrar para o cliente. Quem quiser comprar com a redução do IPI compra. Levar é que são elas.

“Um dos modelos nós estávamos pedindo 90 dias para entrega. Hoje eu recebi um comunicado da fábrica, que voltou a produção em maior escala. Então, agora, você vai esperar somente 45 dias”, revela o gerente de vendas Maurício Turquia.
Somente um mês e meio? “Incomodado eu já estou. Eu já queria estar com o carro, mas já que é assim”, diz o representante comercial Luiz Fernandes Machado.

E dois meses de espera? Para o motorista Silvano Lúcio nada que se compare ao tempo até conseguir o primeiro carro zero. “Seis a sete anos pelejando. Aí consegui juntar um dinheirinho para pegar um. É um sonho”, afirma.

Fonte: G1 Globo Online