BNDES foca em financiar inovação de montadoras

Investimentos em engenharia são os mais
relevantes apoiados pelo banco

AGÊNCIA BRASIL

O fim da expansão do setor
automobilístico, que vem ocorrendo nos últimos meses, motivará o Banco Nacional
de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES a dar nova ênfase aos
financiamentos para as montadoras que apostem em projetos de reengenharia, inovação
e criação de modelos, disse o chefe do Departamento de Indústria Metalmecânica
e Mobilidade do BNDES, Haroldo Prates, em entrevista à Agência Brasil.

No entanto, ele ponderou que os investimentos para implantação de fábricas e
ampliação da capacidade produtiva continuarão ocorrendo. Segundo Prates, os
pedidos de empréstimo das montadoras para renovação do portfólio de veículos
ocorrem com ou sem cenário de crise. “Se a empresa não modernizar o veículo que
está vendendo, o consumidor vai comprar do concorrente.” Esse tipo de
investimento e de financiamento do banco é algo mais perene. Não há relação
direta com a demanda, mas mostra grande correlação com o crescimento do Produto
Interno Bruto PIB, que é a soma dos bens e serviços fabricados no País.

Segundo ele, o incentivo a novos projetos não é novidade, já que fazia parte da
programação tradicional de financiamentos do banco. “De três em três anos,
normalmente, a montadora troca o modelo. Esses projetos as empresas trabalham
usualmente conosco na linha de financiamento”, disse.

FINANCIAMENTO DO CRESCIMENTO DAS MONTADORAS

Nos últimos anos, o BNDES deu destaque aos financiamentos de projetos que
apresentavam a maior demanda do mercado, que eram as ampliações do parque de
produção das montadoras e a aprovação de novas plantas automobilísticas. As
aprovações de financiamentos do BNDES para o setor automotivo somaram R$ 3
bilhões em 2014, até novembro. O valor inclui projetos de ampliações,
desenvolvimento de novos produtos e exportação. Desde 2008, empréstimos do
banco para o setor somam R$ 45,6 bilhões.

Prates observou que o setor automotivo brasileiro passou nos últimos dez anos
por grande crescimento. Em 2013, o País foi o quarto mercado mundial de
automóveis, caindo no ano passado para a quinta posição. “Por conta do grande
crescimento do Brasil, várias montadoras entraram com pedidos de expansão,
alguns financiados pelo BNDES. Houve um ciclo de expansão de capacidade grande
no Brasil.”

O gerente do departamento de Indústria Metalmecânica e Mobilidade do BNDES
Bernardo Hauch lembrou que muitos investimentos feitos ao longo dos últimos
quatro ou cinco anos visaram a construção de novas fábricas. “A gente percebeu
que, mesmo com a queda recente [das vendas], nenhum desses investimentos foi
paralisado ou descontinuado em função dessa queda de demanda. Na minha visão, é
uma aposta no longo prazo.”

NOVOS INVESTIMENTOS

Os investimentos projetados para o setor automotivo entre 2015 e 2018 alcançam
R$ 59 bilhões, mostrando estabilidade em relação aos R$ 58 bilhões projetados
entre 2010 e 2013. “Não têm quedas substanciais no investimento”, comentou
Hauch.

O BNDES considera os investimentos em reengenharia automotiva prioritários
dentro da linha de inovação. Em termos de desembolsos, os investimentos d
Fonte: Automotive Business