BNDES quer estimular motor para híbridos

Redação AB

O presidente do BNDES, Luciano Coutinho, disse que o banco negocia o desenvolvimento de motores elétricos híbridos para uso no transporte público urbano, contribuindo para a redução de emissões nas metrópoles. A informação, registrada pela jornalista Sabrina Valle, do Estadão, surgiu durante assinatura de contrato com a prefeitura do Rio de Janeiro para a construção do corredor Transcarioca, do tipo BRT, ligando o Aeroporto Tom Jobim à Barra da Tijuca.

No entender de Coutinho, o empreendimento traria a escala necessária para o desenvolvimento dos motores com financiamento pelo BNDES.

Projeto

A WEG é apontada como um dos potenciais desenvolvedores de motores para esse tipo de aplicação. A empresa, juntamente com a Itaipu e outros parceiros, apresentou durante a Cúpula do Mercosul, em dezembro, em Foz do Iguaçu, o protótipo de um ônibus elétrico híbrido. O motor a combustão é movido a etanol, tornando a iniciativa inédita; o elétrico foi produzido pela WEG.

O protótipo integra o Projeto Veículo Elétrico da binacional e foi utilizado durante o encontro para transportar passageiros ilustres como o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e chefes de Estado da América do Sul. Ônibus semelhantes poderiam ser utilizados durante a Copa do Mundo de 2014 e nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016.

A Eletra coordenou as principais etapas do projeto do ônibus, construído sobre carroceria low entry da Mascarello e chassis da Tutto Transport. A Mitsubishi Motors do Brasil entregou o motor a combustão V6 flexfuel. A Magneti Marelli entrou com o sistema de injeção eletrônica.

O motor a combustão interna fornece energia mecânica ao gerador elétrico fornecido pela WEG Equipamentos Elétricos, que participou também com o fornecimento do motor elétrico refrigerado a água e com o inversor de tração equipado com frenagem regenerativa, equipamentos especialmente desenvolvidos para esta aplicação e vitais para o bom funcionamento do veículo.

Fonte: Automotive Business