Brasil começa a ser ouvido nos projetos de carros globais


A voz do país nunca esteve tão em alta na hora de criar novos modelos para o mundo todo

Por Lucas Litvay // Ilustração Defreitas

Enquanto a maioria dos brasileiros se protegia do sol escaldante e da chuva incessantes no começo do ano, um restrito grupo de 40 designers do ABC Paulista enrolava-se em cachecóis e luvas para se proteger do inverno mais rigoroso dos últimos 30 anos no norte da Alemanha. Para muitos, a neve era inédita em suas vidas. Desde que a Volkswagen abriu seu centro de design internacional na matriz em Wolfsburg, há dois anos, dezenas de designers brasileiros são enviados para lá e recebem dicas de “sobrevivência” assim que chegam. Além da dificuldade de adaptação, agravada neste ano pelos 30 centímetros de neve, eles (em sua maioria jovens) têm na Alemanha um desafio mais duro, porém agradável: o de expressar o desejo do brasileiro em termos de design e, por tabela, influenciar diretamente a criação de carros globais.

“A voz do brasileiro é cada vez mais ouvida dentro da VW. Foi-se o tempo que um carro era imposto pela matriz para todo o mundo”, diz Luiz Alberto Veiga, chefe de design do estúdio da empresa, em São Bernardo do Campo (SP) – um dos três centros da marca no mundo. A subida de status do país foi somente há dois anos, com a inauguração do estúdio de design internacional, chamado internamente de Design Corner. A função primordial do novo centro, que fica em um espaço anexo ao estúdio de design alemão, é promover a criatividade de brasileiros e chineses – a China é hoje o principal mercado para a VW. O Brasil ocupa a terceira colocação, logo atrás da Alemanha. “Não há um número fixo de brasileiros no Design Corner”, explica Veiga. “Varia de 15 a 50 profissionais, dependendo do projeto em andamento.” A proporção de chineses é 40% menor.

Luiz Alberto Veiga (esquerda): “Na Volkswagen, foi-se o tempo que um carro era imposto pela matriz”A influência brasileira está relacionada à importância do mercado nacional sobre o carro a ser desenvolvido. “Se o país for um dos principais consumidores do modelo, o peso da nossa opinião será proporcionalmente maior”, explica João Marcos Ramos, chefe de design da Ford. O Brasil é um dos cinco países responsáveis por criar os carros da marca. “A diferença é que hoje desenvolvemos um carro aqui e fazemos clínicas com consumidores do Brasil, mas também com os de China, Índia… e vice-versa”, conta Ramos. Como os gostos quase sempre são antagônicos entre brasileiros, norte-americanos e asiáticos, a solução é filtrar as opiniões. “Se você deixar, os chineses vão encher de cromado em todos os cantos do veículo”, diz Ramos. “A preferência do brasileiro é diferente. E se o carro for estratégico aqui, a voz do Brasil prevalece. Temos, hoje, a mesma força de opinião de outros mercados e de Detroit [sede da Ford].”

O poder de fogo do Brasil cresceu na última década e explodiu no ano passado. Com a forte queda nas vendas em mercados maduros (EUA, Japão e Europa), os países emergentes – com Brasil e China na liderança – vêm recebendo tratamento diferenciado das fabricantes. “Estúdio de design no Brasil não é novidade. A novidade é que nós estamos projetando e influindo intensamente no desenho de carros que serão vendidos aqui e lá fora”, diz Raul Franco, da InMarket Consultoria. “As fabricantes tomaram ciência que não podem mais planejar um carro sem ouvir o que seus principais mercados têm a dizer.”

Estepe na tampa: exigência nacional na versão off-road do C3 Picasso, que será vendido aqui como Air Cross
João Marcos Ramos, da FordUm exemplo disso ocorreu com a recém-lançada VW Amarok, picape média projetada na Alemanha e produzida na Argentina. O Brasil foi ouvido e suas demandas aceitas, apesar da resistência alemã. “Para o designer alemão, picape é sinônimo de trabalho. É para pôr porco na caçamba. Foi difícil, mas conseguimos dizer que no Brasil picape é, muitas vezes, status”, diz Veiga. A decisão de colocar um para-choque cromado foi exigência brasileira. “Para eles bastava uma barra de ferro lá atrás.” Fonte: Auto Esporte