Brasil ultrapassa França em produção e assume sexto lugar

Posição foi alcançada no primeiro semestre e é reforçada pelo resultado de julho.
Indústria nacional tem capacidade para produzir 3,85 milhões de unidades neste ano.

Priscila Dal Poggetto

O recorde de produção registrado em julho deste ano, de 320,1 mil unidades, reforça o posicionamento do Brasil como o sexto maior produtor mundial de veículos. De acordo com o presidente da Anfavea, Jackson Schneider, o país conseguiu passar a França no fechamento do primeiro semestre, quando o país atingiu a marca de 1,68 milhão de veículos. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (6) durante a divulgação do balanço do setor para o período até julho, que acumula 2,01 milhões de unidades.

“No semestre, o Brasil passou a França, mas ainda é muito prematuro dizer que nos consolidaremos nesta posição”, ressalta Schneider. Atualmente, o líder mundial de produção é o Japão, seguido de China, Estados Unidos, Alemanha, Coréia do Sul e, agora, o Brasil.

Apesar de a capacidade produtiva da indústria automobilística nacional estar preparada para um volume de 3,85 milhões de unidades até o fim deste ano e de 4 milhões de unidades no primeiro semestre de 2009, Schneider é cauteloso em relação à manutenção do crescimento das vendas no mercado interno no patamar de 30%.

“Não sabemos até quando manteremos esse patamar de crescimento, porque ele não é sustentável. Estamos com uma base de comparação baixa, por causa do desempenho do primeiro semestre do ano passado”, observa o presidente da entidade.

“No mês de julho tivemos crescimento de 19,8% frente ao já animador desempenho registrado no mesmo mês de 2007. Então, pode ser que o mercado vá se estabilizar somente no início do ano que vem”, acrescenta o presidente da entidade, que prevê um ritmo “mais cadenciado” para 2009.

Embora o otimismo, Schneider não mudou as previsões da Anfavea, que aponta para produção de 3,425 milhões de veículos, crescimento de 15%, e 3,060 milhões de unidades vendidas no mercado interno – expansão de 24,2% sobre 2007. Já as exportações, segundo a Anfavea, não passarão de 780 mil unidades — queda de 1%.

Fonte: Auto Esporte