CLS 63 AMG chega aos 100 km/h em menos de cinco segundos

                                             Um desfibrilador de 557 cv. Assim pode ser definida a versão esportiva do repaginado Mercedes CLS, agora com motor V8. A velocidade máxima é limitada em 300 km/h, mas tenha certeza: o coração dos ocupantes irá disparar bem antes disso.

Os 81,5 kgfm de torque (força superior a de uma Ferrari 458) são um exagero para o cupê de quatro portas com tração somente nas rodas traseiras.

Ao arrancar pisando fundo no acelerador, por exemplo, os pneus 285/30 R19 chegam a patinar e o motorista precisa corrigir a trajetória.

Não há parafernália eletrônica que segure o ímpeto do motor 5.5 biturbo preparado pela AMG, divisão esportiva da Mercedes. Cintos inteligentes (que esticam automaticamente na iminência de acidente) e freios de cerâmica herdados da F-1 funcionam como um alento.

Na pista, o CLS 63 AMG igualou a recorde do Audi RS6: 0 a 100 km/h em 4,5s, mostra o teste Folha-Mauá.

Mas a fera pode ser amansada. Basta trocar o modo “Sport+” pelo “Comfort” por meio de um seletor no painel. O carro muda por completo e o motorista passa a ter nas mãos um sedã confortável para passear com a família.

O seletor altera desde o nível de rigidez da suspensão até a velocidade das trocas do câmbio de sete marchas.

O ronco de carro de corrida não é a única excentricidade do CLS 63 AMG, que leva até quatro passageiros em bancos individuais. Os assentos frontais são refrigerados, fazem massagem e têm apoios laterais que se movimentam conforme o ângulo do volante para segurar o motorista nas curvas.

À noite, é possível acionar na tela multimídia a câmera de infravermelho. Ela ajuda a visualizar obstáculos e até a observar a movimentação suspeita de indivíduos, mesmo que estejam escondidos atrás da vegetação, por exemplo.

O CLS é tabelado em dólar e hoje custa R$ 457,4 mil. É uma pequena fortuna, mas, nessa faixa de preço, não há outro sedã de prestígio com desenho tão revolucionário nem um superesportivo com motor tão disposto.

E o Panamera V8 turbo, de 500 cv? O cupê de quatro portas da Porsche é mais controlável nas arrancadas, mas custa o dobro: R$ 900 mil.

Fonte: FOLHA