Confiança do consumidor alcança menor patamar histórico


Índice
da FGV aponta para queda de 6,7% em janeiro

O Índice de Confiança do
Consumidor
ICC, do Instituto Brasileiro de Economia Ibre da Fundação
Getulio Vargas FGV, registrou queda de 6,7% em janeiro em relação a dezembro
de 2014, passando de 96,2 para 89,8 pontos. Este é o menor nível da série
histórica iniciada em 2005. Os dados foram divulgados na segunda-feira, 26,
pelo Ibre e indicam que a queda foi motivada pelo agravamento da situação atual
e pela falta de expectativas.

Entre dezembro de 2014 e janeiro de 2015, o Índice de Situação Atual ISA caiu
de 96,8 para 88,5 pontos 8,6%, enquanto o Índice de Expectativas IE reduziu
6,2%, recuando de 96,8 para 90,8 pontos. Os dois índices estão em seus níveis
mínimos históricos. Segundo a economista Tabi Thuler Santos, do Ibre/FGV, “a
queda do ICC em janeiro é a sequência da tendência observada ao longo do ano
passado e parece refletir aumento da preocupação com o mercado de trabalho e
com a inflação.”

A maior contribuição negativa para a queda do ISA vem do indicador que mede o
grau de satisfação com o quadro econômico. A proporção de consumidores
afirmando que a situação está boa caiu de 8,7%, em dezembro, para 6,0% em
janeiro, equivalente a 2,7 pontos percentuais. No mesmo período, a parcela dos
que a consideram ruim aumentou de 54,6% para 61,8%.

As expectativas também não são favoráveis em relação ao futuro. O indicador de
otimismo com a situação econômica nos seis meses seguintes caiu de 92,5 para
77,6 pontos. Já a parcela de consumidores prevendo melhora diminuiu de 23,3%
para 16,6%. O grupo dos pessimistas subiu de 30,8% para 39,0%. A edição de
janeiro de 2015 coletou informações de 1.820 domicílios entre os dias 2 e 21 de
janeiro. A próxima divulgação da Sondagem do Consumidor ocorrerá em 25 de
fevereiro.

 

Fonte: Autgomotive Business