Consultoria mostra como tecnologia e dados mudarão setor automotivo

 REPORTAGEM > FUTURO DO AUTOMÓVEL Carro autônomo pode ser culpado por acidente, diz Capgemini   da Redação O smartphone e sua interação com o automóvel, sobretudo com o lançamento de sistemas como Apple CarPlay e o Android Auto, estão mudando não só a forma como os fabricantes se relacionam com os clientes, mas também a maneira como automóveis são comprados, vendidos ou mesmo sua própria natureza como bem de consumo. Um dos principais provedores globais de serviços de consultoria, tecnologia e terceirização, a Capgemini listou nove previsões sobre a transformação do setor automotivo em 2016. As questões mais importantes estão relacionadas à propriedade dos dados compartilhados no veículo – quem terá acesso a eles e como os usará? A seguir, as previsões> O carro conectado solucionará o seu primeiro crime Munido de câmeras e sensores, o carro conectado se torna um policial móvel, que monitora as ruas em tempo real e envia os dados para a nuvem. A polícia já conta com dados visuais coletados por câmeras fixas. Parcerias entre cidadãos e autoridades policiais vão complementar os dados obtidos a partir dessas câmeras fixas com dados da população obtidos a partir dos carros conectados. Esses dados poderiam ser usados como prova em processos criminais ou mesmo em tempo real, no caso de acidentes. Neste mês a General Motors do Brasil divulgou a notificação os primeiros casos de recuperação de veículo roubado e acidente envolvendo veículos equipados com a tecnologia OnStar no Brasil. A primeira notificação de roubo de um veículo equipado com OnStar aconteceu em Osasco SP. Logo após ter seu Chevrolet Cruze roubado, o proprietário comunicou o fato à polícia e ao Centro de Atendimento do OnStar, que passou a monitorar o deslocamento do automóvel por GPS e, em um momento oportuno, enviou o comando remoto para o bloqueio da aceleração do motor do carro. Já a primeira notificação automática de acidente ocorreu com um Cobalt de Teresina PI. O carro se envolveu em um acidente com abertura do airbag, sem feridos. Como o veículo com OnStar possui sistema próprio de telecomunicação, um sinal de alerta foi enviado para a central de atendimento.> Disputa entre seguros A telemática poderá fornecer às seguradoras informações importantes para a solução de sinistros acidentes. Os dados ajudarão os peritos a tomar decisões que hoje são baseadas em declarações de testemunhas.> Quando o carro sem motorista é o culpado Os carros sem motorista manterão seus altos índices de segurança, mas um acidente em que a culpa será do carro se mostra inevitável.  Isso porque, em um futuro próximo, o computador de bordo terá de tomar uma difícil decisão entre dois eventos indesejáveis: colidir com outro veículo ou atropelar um pedestre. Esse acidente levará à discussão sobre quem é o culpado. A culpa é do fabricante do carro, do motorista ou da tecnologia? O motorista deveria intervir no momento e agir, o que o tornaria responsável pelo acidente? A tecnologia por trás do veículo deveria ser culpada pela decisão? Ou a montadora nunca deveria ter deixado o veículo tomar a decisão?Carro autônomo do Google: poderá ser ele culpado por acidente?> Velocidade média no trânsito de Londres Dados em tempo real coletados pelos carros conectados serão reunidos e armazenados na nuvem para determinar qual é a melhor forma de aliviar um congestionamento. Cidades como Londres, a mais congestionada da Europa, poder
Fonte: UOL Carros/Carpress