Consumidor voltou a procurar seminovos, diz Fenauto

Da Agência Brasil

A decisão do Codefat (Conselho Administrativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador) de liberar recursos para financiar o capital de giro das empresas com recursos do FAT levou parte dos consumidores de volta às lojas de veículos seminovos. Porém, a Fenauto (Federação Nacional das Associações dos Revendedores de Veículos Automotores), afirma que os juros deveriam ser menores do que os anunciados pelo Ministério do Trabalho e Emprego.

O financiamento de capital de giro para empresas revendedoras do setor automotivo, aprovado no dia 11, beneficia micro, pequenas e médias empresas do comércio varejistas de automóveis, caminhonetes e utilitários usados. Segundo o Ministério do Trabalho, as vendas tiveram impacto de 30% com a crise financeira.

Foram liberados ao setor, inicialmente, R$ 200 milhões. Para ter direito aos recursos de até R$ 200 mil por empresa, é necessário manter o compromisso com a manutenção dos empregos. O prazo é de até 24 meses, com cinco de carência. Os encargos financeiros são a TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo), mais a taxa efetiva de 11,206% ao ano. Atualmente, chegam a 24%, mas, para o presidente da Fenauto, Ilídio Gonçalves dos Santos, o ideal seria 6% ao ano, mais TJLP.

Outro problema para o setor de seminovos é que, ao contrário do carro zero-quilômetro, existe dificuldade na aprovação de crédito para os consumidores. O setor de revenda faturou R$ 158 bilhões em 2008, segundo a Fenauto, mas, em outubro do ano passado, sofreu queda de 50%. De dezembro a janeiro, porém, houve recuperação de até 15%.

Fonte: Diário do Grande ABC