Crescimento da América Latina em 2009 será o menor em 6 anos, diz Cepal

da Efe, em Santiago
da France Presse

A economia da América Latina crescerá 1,9% em 2009 –a menor taxa em seis anos e menos da metade da registrada em 2008– em conseqüência da crise financeira internacional, informou nesta quinta-feira a Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe).

A cifra de expansão para o próximo ano representa um drástico ajuste das projeções que a própria Cepal divulgou anteriormente.

Leia a cobertura completa da crise nos EUA
Entenda a evolução da crise que atinge a economia dos EUA
Veja os países e instituições financeiras afetados diretamente pela crise
Veja as medidas já anunciadas no Brasil para combater os efeitos da crise

Antes o organismo projetava uma expansão regional para 2009 de 4,9%. Em junho, o prognóstico se ajustou a 4% em conseqüência da alta do preço dos alimentos, enquanto que em outubro a estimativa foi novamente rebaixada para 3%, dessa vez pelos efeitos da crise financeira mundial.

O crescimento de 2009 põe fim a seis anos de expansão sustentável, depois que a América Latina se recuperou a recessão de 2002, quando registrou uma contração de 0,5%.

2008

Para 2008, a Cepal prevê que a América Latina terá um crescimento de 4,6%. O Balanço Preliminar 2008 da economia regional indica que neste ano foi o sexto consecutivo de crescimento para a região, período no qual também melhoraram os indicadores do mercado do trabalho e diminuiu a pobreza.

Durante este ano o Uruguai lidera o crescimento regional, com uma expansão de 11,5%, seguido do Peru (9,4%) e Panamá (9,2%). Em contraste, México (1,8%) e Haiti (1,5%) registram os menores crescimentos.

O Brasil também teve destaque. Segundo a Cepal, o país teve um crescimento econômico de 5,9% em 2008.

Em um contexto favorável quase todos os países deram prioridade aos equilíbrios macroeconômicos e geraram superávit em suas contas externas e fiscais, afirmou a secretária executiva da Cepal, Alicia Bárcena, ao apresentar o documento. Desta forma, Bárcena afirmou que hoje a região está melhor preparada para enfrentar uma crise.

Fonte: Folha Online