CSM: novos recordes em produção e vendas


A pedido de Automotive Business, o vice-presidente da CSM Worldwide para a região, Paulo Cardamone, preparou projeções para o mercado automotivo Brasileiro. Ele aposta em alta na produção e vendas domésticas, mas as exportações devem recuar e os importados avançarão para 19% de participação. Os números da CSM não computam a produção CKD para exportação.

Projeção para produção e vendas
O mercado de automóveis e comerciais leves deve emplacar 3,16 milhões de unidades em 2010. O segmento de caminhões e ônibus deve vender 170 mil unidades. A produção anual de veículos leves é estimada em 3,141 milhões, um crescimento de 7,4% em relação ao ano passado. Mesmo com o fim do IPI o mercado interno continuará forte e ocorre a recuperação do mercado argentino, que vem ajudando as montadoras locais também. O ano de 2010 tem sido muito bom para a produção de caminhões e ônibus, com projeção no ano de 156.403 caminhões e 34.442 ônibus.

Novo ritmo do mercado automotivo
Após um primeiro trimestre forte devido à redução do IPI, as vendas de automóveis e comerciais leves estarão em ritmo menor nos próximos meses. No entanto, com o bom cenário econômico do País e a alta demanda para automóveis, haverá um crescimento gradual no segundo semestre do ano. O ritmo da produção de leves será forte até o final do ano, com média de 270 mil veículos por mês. Já o mercado de caminhões continuará forte pelo primeiro semestre, graças à redução do IPI e taxas mais baixas do Finame. Com o fim dos incentivos em junho as vendas de caminhões sofrerão um impacto menor do que o observado no mercado de automóveis. As vendas serão impulsionadas pelo aquecimento da economia e demanda de segmentos como mineração, varejo e construção civil.

Impacto do aço no preço dos carros
O aumento nos custos de produção provavelmente será repassado para o consumidor. O porcentual dependerá da estrutura de produção e da estratégia de mercado de cada montadora, pois já houve um aumento nos preços devido ao fim do incentivo do IPI. O mercado aquecido favorece o aumento do preço final ao consumidor. Mas a competição dos últimos anos na verdade fez com que os preços, em termos reais, recuassem.

Como ficam as exportações este ano?
As exportações brasileiras de veículos leves estão se recuperando junto com o mercado externo, porém em um ritmo menor. Os veículos nacionais não são competitivos nos mercados externos, devido ao baixo conteúdo, falta de adequação à legislação de emissões e apreciação do real. A projeção de exportação para 2010 é de 460 mil veículos de passeios e comerciais leves — um crescimento de 31,2% em relação ao ano passado. De janeiro a abril já foram embarcados 5,5 mil caminhões e 2,4 mil ônibus, indicando recuperação expressiva. Frente a incertezas e dificuldades externas, pode-se dizer que 2010 tem sido promissor para a exportação, que pode registrar um total de 12.880 veículos comerciais.

Importados avançam nas vendas locais
Os importados devem conquistar 19% do mercado brasileiro, após uma participação de 15,6% em 2009.

Janela aberta para a competitividade
É importante o Brasil avaliar seu nível real de competitividade. O governo, os agentes do setor, montadoras e fornecedores sabem da responsabilidade que têm para identificar em que grau cada fator afeta nossa capacidade de competir e as ações para solucionar os problemas. No mundo globalizado de hoje as janelas de oportunidade se fecham rapidamente e isto não será diferente para o Brasil. É preciso pressa e coragem para mudar, agregando valor às competências que já desenvolvemos para depois levar a indústria a um salto de tecnologia e produtividade.

Fonte: Automotive Business