Demissões crescem 146% no setor metal-mecânico em novembro

Gazeta Mercantil | 8/12/2008 – 10h56

Foi de 146% o aumento do número de empregados demitidos nas indústrias metal-mecânicas de Caxias do Sul (RS) em novembro comparativamente a igual mês do ano passado. Dados do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Caxias do Sul e Região aponta 787 rescisões efetuadas em novembro deste ano, diante 320 em novembro do ano passado.
Em outubro foram registradas 771 demissões contra 300 de outubro de 2007, aumento de 157%. A entidade contabiliza apenas os afastamentos de funcionários com mais de um ano de carteira assinada. No acumulado de onze meses de 2008 foram demitidas 6,5 mil pessoas, 300 a mais do que em todo ano de 2007.

“Estes números refletem o desaquecimento”, diz o presidente do Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs), Oscar de Azevedo. Juntamente com a entidade dos trabalhadores, ele busca formas para minimizar os impactos da retração na economia.

Uma das propostas aceitas é reduzir ao máximo o número de demissões no mês de dezembro, utilizando mecanismos tais como férias, férias coletivas e a flexibilização da jornada de trabalho. Paralelamente, a entidade patronal pleiteia junto ao governo a redução do preço de insumos e de matérias-primas como o aço e a energia elétrica, bem como a desoneração dos encargos sobre a folha de pagamento.

As indústrias ligadas ao Simecs iniciaram 2008 empregando 45,2 mil pessoas. Em agosto, último relatório disponível, havia 48,9 mil trabalhadores. O setor automotivo é responsável por 47% da mão-de-obra total, equivalente a 26,2 mil (em agosto) operários.

O tradicional acompanhamento da atividade por setor feito pela Câmara de Indústria Comércio e Serviço de Caxias do Sul (CIC) deixou de ser calculado. “A situação preocupa. Não estão entrando pedidos para janeiro”, salienta Azevedo, do Simecs.

O quadro no setor de autopeças é o mais delicado, conforme o presidente do Sindicato dos Trabalhadores metalúrgicos, Assis Mello. De acordo com dados do departamento de estatística da entidade, Fras-le, Master e Suspensys, empresas do grupo Randon, fizeram parte do ranking das demissões no mês de novembro.

A Randon prefere não se manifestar sobre o assunto. Por meio da assessoria de sua imprensa informa que as homologações efetuadas neste final de ano estão “dentro da rotatividade normal”.

A diferença, desta vez, é que a Randon não está fazendo admissões, atenta ao agravamento ou não da crise. Atenta também está a fabricante de carrocerias para ônibus Marcopolo. A assessoria de imprensa informa que não há nenhum plano de demissões para este mês. No dia 19 a maior parte das empresas do setor metalúrgico inicia o período de férias coletivas, prosseguindo até o dia 5 de janeiro.

Fonte: Webtranspo