Ecofactory na Toyota atrai fornecedores

                                             85% dos parceiros estarão próximo à fábrica.

Automotive Business

O conceito Ecofactory que a Toyota utilizará na construção da fábrica de Sorocaba, SP, destacado no seu relatório de sustentabilidade de 2010, prevê que 85% dos fornecedores de insumos para abastecer a unidade deverão estar alocados próximo à nova planta. O intuito é gerar benefícios ambientais – reduzindo as emissões com transporte de peças – e diminuir os riscos de acidentes e os custos da produção.

Os cuidados ainda se estendem à comunidade em torno da fábrica. Todo o projeto foi estruturado em conformidade com a legislação local, sem impactar a qualidade de vida dos habitantes do município e cidades vizinhas ou gerar risco de qualquer contaminação ambiental.

A nova unidade da Toyota em Sorocaba deverá seguir rígidas metas de redução dos índices de emissões de dióxido de carbono e de compostos orgânicos voláteis, junto com a reutilização da água pluvial. A planta ainda tem metas quanto à diminuição na geração e destinação de resíduos, além da implantação de um processo de logística eficiente e com menor impacto.

Com a chegada da Toyota, a cidade de Sorocaba receberá um grande aporte na área de reflorestamento. A empresa vai construir o Parque Natural Corredores da Biodiversidade, além de desenvolver um cinturão verde no entorno da fábrica e na extensão onde estão localizados os fornecedores.

As ações apresentadas no relatório se referem ao cumprimento de importantes metas de redução de emissões de CO2, de consumo de recursos naturais e de geração de resíduos baseadas no modelo global da empresa.

Em relação à emissão de CO2, a área de logística da Toyota tem uma importância estratégica no programa de redução dos impactos ambientais. Em 2009, o volume de emissões desse setor, considerando apenas o transporte rodoviário, atingiu 38.592 toneladas de dióxido de carbono. Esse desempenho superou as expectativas, já que foram emitidos 15% menos que o limite estipulado para o período, de 45.402 toneladas. Quanto ao transporte marítimo, a Toyota emitiu 265 toneladas, cumprindo a meta de ficar abaixo das 295 toneladas.

A fabricante de automóveis ainda procura reduzir gradualmente suas emissões de compostos orgânicos voláteis (VOCs), por meio de melhorias implantadas em suas unidades, que resultaram em uma redução na ordem de 106,97 toneladas/ano do volume de VOCs por ano e significantes melhorias na qualidade do ar.

Até 2012, a Toyota tem como meta a redução de 5% em suas emissões de dióxido de carbono em relação a 2009 provenientes da área de logística, levando em consideração o aumento da produção no período.

Para atender a essa diretriz estão sendo definidos vários planos de melhoria, que serão implantados ao longo desses três anos, dentre eles: implementação de kits aerodinâmicos em todos os caminhões utilizados na logística; melhoria nas rotas do milk run (caminhões que fazem a coleta das peças nos fornecedores); aumento de eficiência do carregamento de carga nos caminhões que transportam peças e veículos; desenvolvimento de embalagens com capacidade de armazenamento mais eficiente. A empresa deve inaugurar, até o fim de 2010, o seu próprio laboratório de pesquisa de emissões. A construção, que teve início em 2009, apoiará o desenvolvimento de novas tecnologias, testes de certificação e controle de produção – realizados até então na matriz ou em laboratórios de fornecedores.

A empresa alcançou um aumento nos índices de reciclagem de todos os resíduos gerados em suas unidades, atingindo a marca de 95%. Em 2009, as melhorias de gestão contribuíram para a geração de 15,56 kg de resíduos por veículo, uma redução de cerca de 7% em relação ao volume gerado no ano anterior.

Sobre a questão do descarte das embalagens, a empresa projeta para 2012 uma redução de 5%. Para isso, planos de melhorias estão sendo disseminados dentro da área de logística e novos projetos avaliados.

Fonte: Automtotive Business