Entidade alemã quer banco de dados para reduzir fraudes em automóveis

Estima-se que um terço dos carros alemães estejam com a quilometragem adulterada

A prática de adulteração de quilometragem nos automóveis não é “malandragem” somente brasileira. A Alemanha também estão preocupadas com a “manobra” feita pelos proprietários de veículos de lá. Para evitar fraudes, o Automóvel Clube de lá AvD propôs a criação de um banco de dados nacional. A entidade, fundada em 1899, acredita que hoje um terço dos carros comercializados em terras germânicas têm o hodômetro modificado.

A proposta do AvD tem o apoio da seguradora Allianz e a companhia de softwares Bochumer. O trio desenvolveu um programa virtual que permite a alocação de dados acessíveis por oficinas credenciadas, colhendo dados de carros, proprietários e frotas. A adesão tem custo de até € 90 R$ 287 e cada consulta sairia por € 5 R$ 16. Falta agora o apoio de alguma rede de manutenção de veículos para que o projeto saia do papel.

Texto: Matheus Q. Pera

Fonte: Auto Diário