EUA: restrição ao celular não diminuiu número de acidentes


Reportagem publicada no New York Times revela que o resultado de uma pesquisa sobre o uso de telefones celulares por motoristas deixou perplexos seus promotores. De acordo com o estudo, feito pelo Highway Loss Data Institute, a proibição do uso dos telefones celulares na direção aparentemente não resultou na redução do número de acidentes, embora tenha contribuído para reduzir essa prática.
A pesquisa analisou acidentes ocorridos nos estados americanos da Califórnia, New York, Washington e Connecticut pela primeira vez desde que eles adotaram leis proibindo a utilização de celulares por motoristas. Anteriormente, um trabalho desenvolvido pela mesma entidade havia concluído que motoristas que dirigiam enquanto usavam o celular corriam um risco quatro vezes maior de se envolver em acidentes.

O estudo constatou que, nos estados onde o uso de celulares ao volante foi proibido, seu uso decaiu entre 41 a 76 por cento. O levantamento foi feito em esquinas movimentadas e rampas de acesso às auto estradas, computando o número de carros e o de motoristas que seguravam telefones junto ao ouvido.

Apesar da significativa mudança no comportamento, os dados sobre acidentes nos mesmos estados não apresentaram nenhuma alteração, contrariando o esperado diante dos estudos anteriores e o que parecia ser um desenvolvimento lógico.

Para os coordenadores da pesquisa, o que pode estar impedindo o número de acidentes decair é o fato de muitos motoristas não terem deixado de telefonar enquanto dirigem, passando apenas a fazê-lo através de dispositivos tipo “viva voz”. Isso comprova a tese de que o maior problema do uso do celular ao volante não é ocupar uma das mãos, mas desviar a atenção.

Nos Estados Unidos, sete estados proibiram a utilização de celulares convencionais ao dirigir, mas não há nenhuma restrição para sua utilização por “viva voz”. Isso faz com que, na média, o número de fontes de distração capazes de tirar a atenção dos motoristas do caminho – que se soma a atitudes como sintonizar o rádio, atender às crianças no banco traseiro ou apanhar algum objeto caído dentro do carro – se mantenha o mesmo.

JM

Fonte: Auto Estrada