Executivos da GM e Chrysler terão que dar explicações no Senado dos EUA

da Efe, em Washington

Os principais executivos da GM (General Motors) e da Chrysler comparecerão a uma audiência perante o Senado dos Estados Unidos nesta quarta-feira para dar explicações sobre a quebra das montadoras e o fechamento de centenas de concessionárias no país, informaram hoje fontes do Legislativo.

O Comitê de Comércio do Senado, presidido pelo democrata John Rockefeller, anunciou uma audiência para analisar o fechamento de concessionárias da GM e da Chrysler e seu impacto nos consumidores americanos.

O executivo-chefe da GM, Fritz Henderson, e o presidente de Chrysler, Jim Press, estarão no Senado americano em meio ao questionamento de diversos parlamentares sobre o acordo que permitiu a intervenção do Governo em ambas as companhias.

O anúncio da audiência aconteceu pouco depois de a GM, a maior das três principais montadoras dos EUA, ter pedido proteção em um tribunal de Nova York pelo “Capítulo 11” da Lei de Falências americana (o equivalente à concordata, ou à recuperação judicial no Brasil) por não poder reestruturar sua dívida como tinha exigido o governo americano.

A GM e a Casa Branca preveem que a empresa se manterá em concordata “entre 60 e 90 dias”, prazo suficiente para completar uma reestruturação que representará a eliminação de milhares de postos de trabalho, a redução de sua dívida, o fechamento de 14 fábricas, assim como de milhares de concessionárias.

Enquanto isso, a Chrysler, cuja venda à Fiat foi aprovada por um juiz em Nova York, espera sair do processo de concordata em questão de dias.

A Chrysler deve fechar em torno de 25% de suas 3.200 concessionárias nos EUA até o próximo dia 9.

Já a GM pretende encerrar as atividades de quase 20% de suas concessionárias até o final de 2010.

A audiência da quarta-feira também deve receber a participação de alguns dos concessionários afetados pela quebra das duas montadoras.

Fonte: Folha de São Paulo Online