Exportações de veículos devem superar projeção

 Volumes vendidos no exterior cresceram 18,9% entre janeiro e novembroGIOVANNA RIATO, ABEnquanto vendas e produção de veículos seguem contraídas, as exportações evoluem e devem superar as expectativas para 2015. Dados divulgados pela Anfavea, associação que reúne as montadoras, na sexta-feira, 4, mostram que o número de carros brasileiros vendido em outros mercados aumentou 18,9% de janeiro e novembro deste ano na comparação com igual período de 2014, para 369,4 mil unidades.   Em novembro foram embarcados 39,7 mil carros para abastecer outros mercados, volume 8,4% superior ao de outubro e 40,3% maior do que o do mesmo mês de 2014. Com isso, o resultado das exportações em 2015 tende a superar a expectativa traçada pela Anfavea no último mês de agosto. Na ocasião, a entidade projetou aumento de 12,2% para o ano, com a entrega de 375 mil veículos a outros mercados. Luiz Moan, presidente da Anfavea, explica que a alta foi puxada pelos novos acordos comerciais estabelecidos entre o Brasil e outros países. Além disso, parcerias antigas foram renegociadas recentemente.“Aumentamos em 6% as nossas vendas para a Argentina este ano e em 70% os negócios com o México”, calcula o executivo. Segundo ele, a alta foi de 73% nas entregas de carros brasileiros para o Peru e de 74% para o Chile. “Seguimos trabalhando com o governo em novos acordos de comércio. O objetivo é ajudar a aumentar o nosso volume de exportações”, conta. Embora os negócios tenham crescido em volume, o faturamento com vendas internacionais caiu 10,1% em 2015 e chega em US$ 9,67 bilhões até novembro. Apenas no mês as receitas com vendas externas somaram US$ 860,6 milhões, com redução de 1,1% na comparação com outubro e de 6% sobre o resultado de um ano atrás. Moan explica a diferença com a mudança no mix de produtos. Segundo ele, a exportação de bens de consumo duráveis, como automóveis, responde mais rápido do que a de bens de capital, como caminhões e máquinas agrícolas. Dessa forma, houve aumento nas vendas de produtos mais baratos. “A tendência é reduzir essa diferença nos próximos meses. Registramos alta nas exportações de caminhões para países da África de 47% ao longo do ano. Vamos continuar avançando”, conta.
Fonte: Automotive Business