Fiat Chrysler receberá multa recorde nos EUA

 Companhia poderá pagar US$ 105 milhões por não concluir recalls
REDAÇÃO AB

 
A Fiat Chrysler Automobiles será penalizada nos Estados Unidos por não ter completado 23 recalls que envolvem mais de 11 milhões de carros. A multa será recorde para a NHTSA, órgão responsável por fiscalizar a segurança automotiva no país. As informações foram apuradas pelo The Wall Street Journal e devem ser divulgadas em breve, quando a companhia assinar o acordo com a agência reguladora. A punição foi causada por uma série de falhas da empresa, como deixar de alertar os proprietários sobre riscos envolvendo os veículos e atrasos para reparar problemas. O documento prevê que a Fiat Chrysler tome providências e conclua o recall de 1,59 milhões de veículos Jeep. Alguns modelos mais antigos da marca com tanque de gasolina traseiro, como os Grand Cherokee e Liberty fabricados entre 1993 e 2007, apresentam alto risco de incêndio em caso de colisão e estão relacionados a uma série de acidentes fatais. A FCA trabalha na instalação de engates traseiros nestes modelos para corrigir o problema. A NHTSA acusa a Fiat Chrysler de ter demorado demais para tomar a providência. A empresa justifica apontando que a maior parte dos clientes não está disposta a instalar o dispositivo. Como solução para isso, a entidade quer que a fabricante ofereça dinheiro como recompensa aos consumidores que comparecerem às concessionárias para corrigir o problema. Caso estes clientes decidam trocar de carro, a empresa deve comprar os Jeeps usados por valor superior ao de mercado. A multa recorde que deve ser anunciada para a FCA sinaliza fase mais rigorosa da NHTSA, que quer pressionar as montadoras para que elas sejam mais eficazes para corrigir defeitos de fabricação. Até então, o maior valor pago por uma montadora por não realizar recalls eram os US$ 70 milhões com os quais a Honda teve de arcar no início de 2015.A postura mais dura do órgão de segurança é uma resposta às acusações que a entidade tem recebido recentemente de não fiscalizar corretamente as fabricantes de veículos. As críticas vieram depois dos problemas de segurança enfrentados pela General Motors recentemente, que precisou convocar milhões de carros nos Estados Unidos e em outros países por causa de defeitos nos airbags produzidos pela Takata
Fonte: Automotive Business