Fiat reclama de falta de estrutura logística no País


A planta mineira da Fiat em Betim produz 2100 carros por dia mas tem capacidade para chegar aos 3200. O mistério de como abrigar a enorme produção sob o mesmo teto parece pequeno quando a questão é como a montadora distribui o enorme volume que sai diariamente da mesma planta para os 520 pontos de venda e todo o País.

O gerente de logística da Fiat Automóveis, Mauricélio Faria, aponta que a maior dificuldade da está na falta de estrutura logística do País. “Não temos grandes problemas quando precisamos levar produtos para São Paulo ou Rio de Janeiro. A dificuldade é abastecer algumas cidades do centro-oeste, norte e nordeste, que têm estradas em péssimas condições”, aponta.

Faria avalia que além da falta de estrutura rodoviária, o país tem gargalos em aeroportos e portos. Segundo o executivo, ambos demandam muito tempo para liberar mercadorias, são muito burocráticos, enfrentam problemas de congestionamento e de extravio de produtos.

A má qualidade do transporte nacional custa caro. O gerente afirma que os custos logísticos correspondem a 11,6% do PIB nacional. Nos Estados Unidos o percentual fica em torno de 8%. “Investimos muito em capacidade, ampliação de fábrica e produção e corremos o risco de ter um apagão logístico no Brasil”, alerta.

Fonte: Automotive Business