Financiamento de automóvel aquece o mercado

Gazeta Mercantil | 4/8/2008

Entre 60% e 65% das máquinas e equipamentos industriais importadas pelo Brasil vão para o setor automobilístico. ´O setor automobilístico é o que mais importa e ele acaba por movimentar diversos outros segmentos da indústria nacional. A escala do setor automobilístico é muito grande, e se este segmento mudar o foco, todos vão sofrer. No mundo inteiro é assim´, explica Daniel Dias de Carvalho, diretor da Associação Brasileira dos Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais (Abimei).

O vasto volume de crédito e a grande quantidade de parcelas para o financiamento de automóveis são o que alavancam o setor. Neste cenário, o que poderia provocar uma freada seria a diminuição da quantidade de parcelas e não, diretamente, o valor da parcela, por isto, o aumento da taxa Selic nos últimos meses, não deve desacelerar o mercado, na opinião da associação. ´A demanda está tão aquecida que não houve uma percepção porque aumentou quase um ponto percentual a taxa de juros. O poderia, realmente, frear este consumo é diminuir muito o prazo de pagamento do crédito´, afirma Carvalho. ´O mais importante para o consumidor é o sentimento de que ele tem crédito disponível. Todavia, é lógico que não podem extrapolar com os juros´ ressalva.

´Este país tem uma ligação muito forte com a indústria automobilística. Se este setor vai bem, todo o resto vai bem. E, sempre foi assim´, diz o diretor. ´Se a indústria automobilística se desacelerar, todos os setores vão sofrer. E, se isto acontecer, nós somos os primeiros a sofrer e os últimos a reagir´, analisa Thomas Lee, presidente da associação comentando sobre a importância que o setor automobilístico tem para os importadores de maquinários. Ainda sobre a questão do financiamento, Carvalho adverte que, se os importadores tivessem os meios de financiamentos que o consumidor tem para comprar seu carro, faltariam máquinas para o País ´para o resto da vida´. ´Hoje, as ferramentas que nós importadores temos para financiar as máquinas são escassos´, conclui.

Fonte: Webtranspo