Ford vai produzir releitura de Mustang de 1969


Do Diário do Grande ABC

Um carro de corrida que pode ser dirigido nas ruas. Essa é a proposta do novo Mustang Boss 302, que a Ford vai produzir como modelo 2012 na América do Norte, em versão limitada. Com motor V8 de 5 litros, é o Mustang mais rápido já construído de fábrica, com velocidade final de 250 km/h. A potência de 434 cv e o torque de 52,5 mkgf impressionam.

O modelo é uma releitura do Mustang Boss 302 de 1969, um ícone dos carros de alta performance. Ele foi projetado pelo mesmo time de engenheiros e designers que criaram o Mustang GT 2011, no qual se baseia, trazendo aprimoramentos em todos os sistemas, incluindo motor, freios, suspensão, interior e exterior, para otimizar o desempenho.

Para celebrar a herança do carro nas pistas, a Ford vai produzir também número limitado da versão especial Boss 302 Laguna Seca, batizada em homenagem ao circuito onde Parnelli Jones venceu a prova de abertura da temporada de 1970 da Trans-Am. Voltado para motoristas mais interessados no desempenho do que no conforto, ele dispensa o banco traseiro, tem carroceria com rigidez reforçada, acerto de chassi diferenciado e praticamente o mesmo pacote aerodinâmico do Ford Racing Boss 302R, de competição.

O design externo do novo Boss 302 foi totalmente inspirado no modelo original de 1969, com as opções de cores laranja, branco, azul, amarelo ou vermelho na carroceria. No interior, o destaque fica por conta do novo revestimento do painel e do acabamento das portas, além de bancos esportivos Recaro.

O modelo é equipado com transmissão manual de seis velocidades e suspensão especial com cinco pontos de ajuste. O nível um é o mais macio, o dois é o padrão de fábrica e o cinco o mais firme, permitindo calibração fina para privilegiar o controle ou o conforto. A direção, com sensor eletrônico de velocidade, dispõe de três opções de ajuste, nos modos conforto, normal ou esporte. O carro tem ainda controles eletrônicos de tração e estabilidade, que podem ser total ou parcialmente desligados para se adequar ao estilo de condução do motorista.

Fonte: Diário do Grande ABC