Fras-le apura receita líquida 9,9% maior no primeiro semestre

Mas Ebitda cai 3,5% com instabilidade das economias brasileira e argentina

REDAÇÃO AB

A Fras-le, fabricante de autopeças do Grupo Randon, obteve receita líquida de R$ 379,1 milhões no primeiro semestre deste ano, volume 9,9% maior do que o anotado em igual intervalo do ano passado. Mas o Ebitda, lucro antes do pagamento de juros, impostos e depreciação de ativos, foi de R$ 50,4 milhões no semestre, revelando uma queda de 3,5%.

Segundo comunicado distribuído pela empresa, os números refletem a instabilidade atual no mercado nacional, a desaceleração da economia argentina e alguns fatores pontuais no segundo trimestre. Apesar da continuidade do benefício fiscal com a desoneração da folha, a companhia sentiu também a suspensão do Programa Reintegra durante o primeiro semestre deste exercício.

A Fras-le teve mais instabilidade nos negócios com as montadoras instaladas no Brasil. O diretor-presidente e de relações com investidores da Fras-le, Daniel Raul Randon, explica que, apesar da busca constante por redução de custos e melhores resultados, a Fras-le teve seu desempenho impactado por causa da vulnerabilidade do cenário econômico nacional, principalmente redução da atividade industrial e dificuldades para liberação do crédito.

Em contrapartida, a empresa conseguiu crescimento nos volumes de exportação. A estratégia de globalização da Fras-le contribuiu para amenizar parcialmente estes efeitos com aumento nos volumes de vendas. “O atual cenário nacional é delicado, estamos atentos às movimentações do mercado e agindo rápido nas tomadas de decisões a fim de amenizar possíveis impactos no desempenho da companha. Continuaremos buscando oportunidades de crescimento dos volumes de vendas e de participação de mercado a nível mundial”, afirmou Randon.

Da receita líquida total apurada no primeiro semestre, R$ 204,2 milhões foram gerados no Brasil, em alta de 5% sobre o ano passado. E R$ 174,9 milhões foram gerados no mercado externo, volume 16,2% superior.

Fonte: Automotive Business