GM e Chrysler estudam negociar falência

Sem ajuda financeira, marcas podem ficar sem saída e acabar fechando as portas

Thiago Vinholes

À espera do socorro financeiro bilionário do governo norte-americano, General Motors e Chrysler já admitem negociar suas falências. A atitude também pode ser interpretada como uma última tentativa de sensibilizar a comissão que analisa a possibilidade de ajuda aos fabricantes, que se aprovada custará às montadoras, mais a Ford, redução na produção, corte de modelos, de empregos e os salários milionários pagos a seus executivos. A posição final do governo será dada no próximo dia 8.

A alternativa veio à tona após a consulta de especialistas em reestruturação empresarial, que sugeriram falência pré-negociada às duas montadoras e à comissão julgadora do socorro. A medida quitaria a dívida de ambas as marcas com trabalhadores e credores, no entanto, ainda é incerta quanto a recuperação plena.

GM, Chrysler e Ford esperam uma ajuda de US$ 34 bilhões em empréstimos e linhas de crédido por parte dos EUA. Caso não se concretize, as marcas podem fechar suas portas, causando um colapso na indústria e milhares de trabalhadores direta e indiretamente podem perder seus empregos.

Fonte: Auto Esporte (04/12/2008)