GM nega falência, após ações atingirem menor patamar em 58 anos

SÃO PAULO – Em resposta aos rumores acerca de uma possível falência, a General Motors divulgou comunicado nesta sexta-feira (10) negando qualquer ação nesse sentido, apesar das vendas declinantes de automóveis e da dificuldade atual de crédito.

De acordo com porta-voz da maior automobilística norte-americana, o anúncio veio em resposta à forte desvalorização de 31% das ações no pregão de quinta-feira (9), no qual os papéis atingiram o menor valor desde 1950.

“Especulações exageradas”

“Claramente estamos de fronte de desafios sem precedentes, correlacionados à incerteza nos mercados financeiros globais e ao enfraquecimento dos fundamentos econômicos em muitos mercados importantes, mas um pedido de concordata não é uma opção que a companhia esteja estudando”, afirmou a GM na nota, reiterando a inexistência de bancarrota.

“O processo de falência não seria do interesse dos nossos empregados, acionistas, fornecedores e clientes, e nós acreditamos que as especulações em torno de um pedido de concordata são exageradas e não construtivas”, completou a automobilística.

S&P em alerta

A forte queda dos ativos da GM da véspera é parcialmente explicada pela afirmação da agência internacional de classificação de risco Standard and Poor´s, na qual projeta que as duas maiores automobilísticas norte-americanas – General Motors e Ford – poderão entrar em processo de falência.

Tal pessimismo justifica-se pela demanda declinante por veículos, provocada pela desaceleração do crescimento econômico mundial. “Os fatores macroeconômicos poderão devastar os rendimentos das companhias”, explanou Robert Schulz, analista da S&P.

Ações se recuperam

Investidores receberam com viés positivo a notícia acerca da saúde financeira da GM, que vê seus papéis dispararem 10% neste pregão.

Fonte: Yahoo noticias