Grand Vitara V6 chega com 232 cv por R$ 119 mil


O Suzuki Grand Vitara recebe, afinal, os cavalos que faltavam para quem gosta de dirigir com respostas generosas ao pisar no acelerador. Na versão V6, ele traz motor com 232 cavalos e custará em média R$ 119 mil. Sob o ponto de vista de conforto e acabamento, a versão agrada e, como o modelo com motor de 4 cilindros, representa uma grande evolução em relação ao veículo que era vendido aqui no passado e deu origem também ao (envelhecido) GM Tracker.

O carro traz também mais fôlego à rede de 19 distribuidores da marca, que contava até agora apenas com o Grand Vitara equipado com motor 4 cilindros e o jipinho Jimny.

“O Grand Vitara V6 é um SUV de última geração”, diz Alfredo Sestini Filho, novo diretor-presidente da empresa, que substitui Alexandre Câmara. Ele garante que o projeto da marca no país está apenas no início.

Em versão cinco portas, o novo modelo a gasolina é equipado com motor 3.2L V6, construído em alumínio, com duplo comando de válvula, de 232 cv a 6200 rpm e torque de 29,6 kgf.m a 3200 rpm. A transmissão é automática, com cinco velocidades e tecla Power para direção mais esportiva. Adaptado tanto ao asfalto quanto à terra, o veículo conta com rodas de liga leve aro 17”, tanque de combustível de 66 litros e sistema drive by wire, acelerador eletrônico que resulta em menor nível de emissão de poluentes.

O Grand Vitara V6 possui recursos como direção hidráulica progressiva, piloto automático, tração 4 x 4 integral, diferencial central bloqueado e a opção reduzida. As diferentes funções para enfrentar situações mais exigentes, como superfícies de baixa aderência e enchentes, podem ser acionadas no painel por um botão, o que protege o sistema e evita engates involuntários.

Segurança

A Suzuki colocou os eixos mais próximos das extremidades do carro para maximizar o espaço interno. Tornou também mais abertos os ângulos de entrada e de saída, melhorando a capacidade de superar obstáculos.

A Smart Entry, com sensores de proximidade, trava e destrava as portas e libera a partida do motor sem o uso de chave. O sistema é também um imobilizador, pois sem o atuador no interior do veículo não é possível dar a partida o motor.

Há air-bags frontais, laterais e de cortina. O sistema de freios, com discos ventilados nas quatro rodas, traz de ABS com EBD (Electronic Brake-Forces Distribution), que distribui os freios entre os eixos em função de carga ou condição de frenagem, e BAS (Brake Assist), que auxilia o condutor a frear o veículo com menor esforço de pedal.

Outro mecanismo que torna o veículo mais seguro é o sistema ESP (Electronic Stability Program), um controle automático de estabilidade. Essa função detecta e corrige riscos de perda de aderência, sobretudo em situações como piso molhado e curvas fechadas. No caso de declives, o recurso que entra em ação é o HDC (Hill Descent Control), tecnologia que controla a velocidade em descidas. Já para saída de semáforo em subidas, o Grand Vitara V6 aciona o HHC (Hill Hold Control), que mantém a posição do veículo durante aproximadamente três segundos sem escorregar para trás, enquanto o condutor tira o pé do freio e vai para o acelerador.

O novo modelo foi concebido a partir de um conceito de célula de segurança, na qual a carroceria tem absorção de impacto e deformação programável. A estrutura monocoque com chassi integrado ainda tem maior resistência à torção e absorção de energia em caso de acidentes.

O Grand Vitara V6 chega ao Brasil nas cores preto, prata e grafite. Os faróis, com regulagem de altura automática, são de xenon e com lavadores próprios.

Conforto

A opção pela carroceria monocoque contribui para maximizar o ambiente interno, que ganha o espaço antes destinado ao chassi. Além dessa vantagem, o veículo conta com recursos que tornam o ambiente mais “a gosto” do usuário. A começar pelo controle digital automático de temperatura com filtro de pólen, que permite ao usuário programar a temperatura interna como bem desejar. O computador de bordo traz também informa
Fonte: Automotive Business