Indústria automobilística Argentina prevê produção 32% maior


Motivo são exportações para o Brasil e ao aquecimento da demanda interna

Marina Guimarães/AE – 6/7/2010 – 12h42

Buenos Aires – Graças às exportações para o Brasil e ao aquecimento da demanda interna, a indústria automobilística da Argentina confirma que 2010 vai ser mesmo o melhor ano de sua história. O setor projeta a produção de 680 mil unidades, uma elevação de 32% sobre as 512,9 mil unidades fabricadas no ano passado. Do total a ser produzido em 2010, 400 mil veículos devem ser destinados ao mercado externo. Desse volume, o Brasil recebe quase 90%. Das 187.544 unidades exportadas no primeiro semestre, 163.404 foram para o Brasil, representando uma fatia de nada menos que 87,1%.

O mercado interno, por sua vez, está estimado em 590 mil unidades, incluindo os importados, especialmente do Brasil. Os números são da Associação de Fabricantes de Automóveis (Adefa), a Anfavea local, que divulgou, ontem, cifras alentadoras do primeiro semestre: 306 mil veículos fabricados. Uma alta de 56,3% na comparação com igual período de 2009.

Somente em junho, a produção subiu 46,6% em 12 meses para 65.256 unidades no mês, das quais 40.813 foram exportadas ao Brasil. As vendas da indústria às concessionárias, que incluem automóveis importados, registraram 41,8% de aumento (60.940 unidades).

O primeiro semestre acumulou alta de 65,3% na produção e de 39% nas exportações. “Em meio ao crescimento da economia argentina, após a crise de 2008 e 2009, o setor automotriz é um pilar da recuperação e a exportação ao Brasil cumpre um papel relevante”, afirmou o presidente da Adefa, César Luis Ramírez Rojas.

“Com os registros verificados até o momento, podemos reafirmar as projeções iniciais de que teremos um recorde absoluto no setor”, destacou ele, recordando que os melhores números da indústria foram marcados em 2008, quando as montadoras fabricaram 597 mil unidades.

Fonte: Diário do Comércio