Jeremy Clarkson: a bizarra limusine de R$ 3 milhões do presidente da China

Ele custa quase R$ 3 milhões para ninguém poder comprá-lo

Enquanto a Grã-Bretanha reclamava da recente onda de calor, eu estava em Chongqing, China, onde a temperatura era de 48 graus Celsius. Os chineses dizem que lá é a fornalha da China.

Já o resto do mundo diz: “Chong-o quê?” E isso é estranho, porque só a cidade tem 9 milhões de habitantes, ou seja, mais que Londres. E, se você levar em conta a região metropolitana, são mais de 30 milhões.

É uma plantação de arranha-céus, mais do que em Manhattan, e a cada manhã, quando você se levanta, já surgiram mais dois.

Adorei o ritmo da cidade, suas colinas e como a selva está tentando retomá-la, crescendo em cada fenda e buraco dessa floresta de aço e concreto. Um dia tomei o trem-bala e descobri que ele é capaz de chegar a 500 km/h.

Estilo lembra um Chrysler 300C com toques de Peugeot 404 e Austin 1100

Quando visitei a China pela primeira vez, o trem que tomei de Pequim a Xian era puxado por uma locomotiva a vapor e seu banheiro era uma caixa de madeira com um buraco no chão – nenhum dos outros passageiros o visitou. Isso foi só 30 anos atrás.

Antes de 1988 não havia uma única autoestrada no país. Agora os chineses têm mais de 130.000 km e desde 2011 a malha vem crescendo pelo menos 10.000 km por ano. Você não pode dirigir nessas estradas com uma carteira de motorista britânica.

Ela não é boa o suficiente. Antes, você precisa fazer um exame, que inclui abrir e fechar suas mãos, agachar-se e ficar de pé novamente e ser aprovado em um exame de vista.

Que eu fiz para, depois, poder usar as estradas mais lisas e de fluxo mais livre do mundo.

Feito de minério de ferro e granito, carro pesa 3,1 toneladas

Há 30 anos, os chineses nem tinham permissão para dirigir um carro. Agora eles estão comprando mais de 24 milhões por ano. Para tentar forçar os locais a comprar carros feitos na China, os veículos manufaturados na Europa custam o dobro do que no seu país de origem.

Mas isso não está impedindo os novos-ricos. Você vê Ferrari, Rolls-Royce e Bentley constantemente. E há imitações de muitos carros. Aliás, há imitações de tudo na China. Mas as pessoas querem o artigo legítimo.

Isso, no entanto, não é muito útil para o presidente Xi Jinping, porque ele não pode ir para uma conferência mundial em um Bentley. Isso seria admitir ao mundo que a indústria automobilística chinesa não é boa.

Nem pode aparecer em um Haval ou um Trumpchi, porque daí todo mundo teria certeza de que a indústria automobilística chinesa não é boa. Ele precisa de algo que faça o mundo dizer “Uau!”. E é por isso que o Xi usa um Hongqi L5.

Ele custa 550.000 libras (R$ 2,9 milhões). Sim, você leu corretamente. E se parece com um Chrysler 300C, que é o que acontece quando pedem ao designer para fazer algo que pareça um Bentley.

Exceto que, para diferenciá-lo, ele também tem toques de Peugeot 404 e Austin 1100. Nenhum dos quais você notará, por causa do ornamento em forma de bandeira vermelha no capô.

É isso que Hongqi significa: bandeira vermelha. Ou seja, ele é um símbolo do comunismo bem caro. Estilo chinês.

Apesar de caro e luxuoso, carro não tem airbags

Conseguir um para testar foi praticamente impossível. Eles são feitos apenas para altos oficiais e seu preço garante que ninguém mais compre um.

Então, na prática, ninguém tem o carro. Mas, eventualmente, usando nada mais do que generosas quantidades de dinheiro vivo, consegui um exemplar por um dia.

Ele foi entregue por um homem perneta de colete que não falava inglês e não sabia nada sobre o carro.

Mas conseguimos descobrir que o carro tem um motor V12 produzido pela própria marca, que produz 408 cv. Mais ou menos o que oferecia um Mercedes grande na década de 1990.

Não seria problema, exceto que o Hongqi pesa 3,1 toneladas, o que é mais que a maioria dos equipamentos de construção de estradas. Mas, quando abre a porta, incrivelmente pesada, você vê o porquê. Ele é blindado.

Só que, ao baixar o vidro, percebe que na verdade não é.

Ele pesa tudo isso porque é feito de minério de ferro e granito. Isso significa que o Hongqi é meio lento. Na verdade, isso não é justo. Um Fiat Uno fustigado pelos anos é meio lento. Este carro é muito mais lento.

A Hongqi não informa seu 0 a 100 km/h, e eu desconfio que é porque ele não consegue chegar a 100 km/h. O que até é bom, porque ele não tem airbags.

L5 é o carro oficial do presidente chinês

E também não tem porta-copos. O volante conta com ajuste elétrico. Só que ele estava quebrado. Mas eu não me importei, porque o banco do motorista é um lugar terrível para se estar.

Ele não é nem remotamente confortável: os bancos são duros como pedra e a suspensão foi, acho, feita com restos do que quer que eles tenham usado para criar as portas.

Mas não dá para negar: essa coisa tem presença. Nada que eu já dirigi diz “preste atenção no que eu vou dizer” do que este carro. Você usa um para ir a uma reunião e ele logo vai abrir caminho. É o filho da mãe mais malvado e mal-encarado que o mundo já viu.

E quem se importa se ele só chega a 10 km/h? É tudo que ele precisará fazer na vida: passar pelo meio das multidões que vieram ver você do aeroporto até a conferência global. É algo construído para você sair dele.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, tem um Jaguar. A alemã Angela Merkel usa um Mercedes. E o francês Emmanuel Macron tem de sair da parte de trás de um Renault Clio. E todos eles parecerão frágeis quando Xi Jinping sair do seu Hongqi.

É um símbolo de que a China dominará o mundo. E ela vai dominar.

FICHA TÉCNICA

Hongqi L5

Motor: V12, 5.985 cm3, 408 cv a 5.600 rpm, 56,1 mkgf a 4.000 rpm
Câmbio: automático, 6 marchas, 4×4
Peso: 3.150 kg
Desempenho: 0-100 km/h em  8,9 s; velocidade máxima 210 km/h
Preço: 550.000 libras (R$ 2,9 milhões)

Fotos: Divulgação