Kakinoff anuncia R$ 100 milhões para campanhas e rede Audi


Cerca de sessenta jornalistas estiveram presentes à reunião em que Paulo Sérgio Kakinoff foi apresentado à imprensa como novo presidente da Audi Brasil. Como o executivo esteve fora do Brasil desde 2007, atuando na Volkswagen alemã, o encontro foi uma oportunidade de confraternização, com abraços e tapinhas nas costas e votos de sucesso no comando da importadora. Ele tem prestígio na praça e o reconhecimento como um profissional de marketing competente. A carreira meteórica de Kakinoff começou na Volkswagen do Brasil aos 18 anos, como estagiário. Passou pela assistência técnica entre 1996 e 1997, tornou-se supervisor da área técnica e administrativa em 1998. Ganhou a oportunidade de trabalhar na reestruturação da rede de concessionárias e chegou a gerente nacional de vendas em 2001. Em 2003 veio o salto para a Diretoria de Marketing e logo a seguir, para a Diretoria de Vendas. Acumulou a seguir a função de Marketing. Aos 32 anos recebeu convite para a carreira internacional, com base na Alemanha, como Head of Group Sales Development, voltado para os negócios na América do Sul. Em outra promoção, tornou-se diretor executivo do Grupo VW América do Sul. Veio agora o convite para comandar a Audi Brasil. Kakinoff é o mais jovem presidente das subsidiárias da Audi. Para Peter Schwarzenbauer, presidente mundial da Audi, Kakinoff representa o executivo perfeito para o novo cargo: imagem em sintonia com a marca, jovem e dinâmico. Ele foi escolhido também por ser brasileiro e pela experiência em lidar com distribuidores, que são a alma do negócio para a importadora. “A Audi é uma marca de sonho” – disse Kakinoff. Possivelmente, é também no momento a marca dos sonhos dele próprio, que passa a uma nova fase na carreira. Ele tem as diretrizes gerais de sua gestão, mas falta detalhar os programas. “Discutimos no momento onde queremos chegar. Mas sabemos a direção, que é a liderança do segmento de carros Premium” – explicou. Ele entende que o Mercosul tem bom potencial para desenvolvimento da marca quando a crise global for debelada. “O Brasil volta a receber atenção lá fora, mostrando fôlego enquanto outros países despencam nas vendas” – afirma. Kakinoff tem uma verba de R$ 100 milhões até 2011, para aplicar em marketing de relacionamento e desenvolvimento da rede de concessionárias. Ele terá na área de comunicação e promoção o suporte da Almap BBDO, agência que atende a marca desde o princípio no Brasil e trabalhará sobre três pilares associados à marca: sofisticação, esportividade e progressividade.

Fonte: Automotive Business