Kia Soul é a guinada da marca


Com linhas retas, Soul é um carro urbano com pitadas de utilitário esportivo. Chega em março, com preço estimado em R$ 70 mil

Alexandre Carvalho

Comece a se acostumar. Depois que a Kia lançar o Soul no Brasil, em março, sua percepção em relação à marca coreana vai mudar. Misturando elementos de veículos urbanos (como o Mini) com os de utilitários esportivos, o novo compacto tem visual robusto e jovial, que não remete a nada do que a empresa fez até hoje. O caixotão de quatro rodas com linhas mais arredondadas é o primeiro passo da mudança de mentalidade da Kia, que finalmente começa a deixar de lado a timidez para ousar.

Com o Soul, a empresa deve surpreender vários tipos de consumidor. Agradará jovens, modernos, aqueles que querem um carro urbano espaçoso e os que gostam da robustez dos jipes. Utilitário esportivo? Não é exagero dizer que o compacto agrega características desses veículos. Vamos contabilizá-las. A primeira é a forte aparência, com frente alta e encorpada. A segunda está na posição elevada para dirigir. A terceira, no generoso espaço interno. Dois centímetros mais curto que o Prisma, o Soul mede 4,10 m e tem entre eixos de 2,54 m. Garantia de folga para as pernas dos passageiros.

Linhas do Soul são bem marcantes, como no teto, que afunila da frente para a traseira, e nos pára-lamas bojudos, unidos pelo ressalto contínuo das portas
Além disso, o “pé-direito” interno é excelente. Ninguém irá bater a cabeça ao entrar no carro ou ao se acomodar. As saídas de ar nos pára-lamas dianteiros, perto das portas, são semelhantes às utilizadas pela Land Rover no Discovery. No Soul, são apenas decorativas. As barras longitudinais no teto e o pára-choque com um discreto quebra-mato, no estilo Fiat Adventure, completam o lado utilitário esportivo.

O desempenho do motor 1.6 16V, porém, passa longe de um jipe. É mais indicado para a cidade, com bom fôlego, e casando muito bem com o câmbio de engates precisos e relações mais longas que as do novo Cerato No entanto, é um pouco barulhento a partir das 2.500 rpm.

A traseira é reta, mas tampa do porta-malas salta para fora logo abaixo do vidro. Pára-choque abriga luzes de freio e aplique metálico
Como a Kia quer despertar paixão no consumidor com o Soul, especialmente nos mais jovens (de coração também, frisa a marca), caprichou no estilo descolado por dentro. O painel tem ângulo inclinado para trás, que facilita a leitura das informações do dial do rádio. Os porta-objetos e porta-luvas são revestidos por dentro com acabamento colorido, como o vermelho vivo da unidade avaliada, uma pré-série trazida para o Salão. Este porta-objetos, por sinal, tem abertura nada simples. Todos os bancos são revestidos com tecidos que trazem o nome do carro, como em séries especiais esportivas.

Bancos trazem inscrição personalizada no tecido; Compartimento no bagageiro amplia capacidade para 340 quando retirada a divsória
O desenho da carroceria é ainda mais marcante, com muitos recortes e saliências no capô, pára-lamas e tampa do porta-malas. E linhas não usuais. Basta olhá-lo de lado para notar que a espessura do teto diminui gradativamente de trás para frente, dando a impressão de que o carro é achatado. O Soul tem amplo pára-brisa, rodas aro 18, maçanetas e tampa do tanque cromados. Os faróis e as grandes lanternas dão aparência musculosa e urbana. Segundo a importadora, a versão avaliada não traz o detalhe na grade que marca o estilo “nariz de tigre”, assinatura do chefe de designer da empresa, Peter Schreyer.

Em um primeiro momento, a Kia irá importar a novidade somente na versão equipada com motor 1.6 16V. O câmbio pode ser manual ou automático de quatro velocidades. Se o consumidor aprovar – tarefa dura tendo em mente que, hoje, custaria R$ 70 mil –, é possível que a versão 2.0, de 140 cv, seja importada, bem mais cara.

Caso o Soul tenha boa demanda, pode fazer a importadora finalmente tirar do papel os planos de montar uma fábrica aqui, sonho de dez anos. E essa nova face da Kia pode ser a escol
Fonte: Auto Esporte