Jeep Renegade reestilizado é flagrado em testes no Brasil

Flagra Jeep Renegade 2019 (Foto: Leandro Gervasio/Autoesporte)

 

Um flagra noturno, feito pelo leitor Leandro Gervasio em Recife, Pernambuco, mostra uma unidade nacional do novo Jeep Renegade em testes. Previsto para estrear até novembro, durante o Salão do Automóvel de São Paulo, o SUV compacto ganhará sua reestilização de meia vida, que deve seguir as alterações feitas na Europa, onde recebeu retoques externos, especialmente nos conjuntos óticos, que passarão a ter luzes de leds.

Com pouca luz e camuflagem, o clique não permite ver muitos detalhes. Mas esperamos que as novas lanternas de efeito tridimensional estejam no modelo brasileiro, que ganhará o puxador na base da tampa do porta-malas, para facilitar a abertura do compartimento. A outra mudança externa mais relevante está na dianteira, que deve adotar os novos faróis com anéis de led e a grade mais larga com um recorte na parte inferior.

Jeep Renegade 2019 reestilizado (Foto: Divulgação)

 

Também não é possível ver a parte mecânica, considerada a mais carente de mudanças. É esperado que o Renegade reestilizado receba o novíssimo motor 1.3 turbo da família GSE (sigla de Global Small Engines), mas só em 2019. No velho continente, o SUV ganhou o 1.3 turbo, com potências de 150 cv e 180 cv, e também o pequeno 1.0 turbo de 120 cv. Ambos são esperados no Brasil, onde as versões aspiradas receberam o nome Firefly.

Já sabemos que os motores 1.0 e 1.3 Firefly terão versões turbinadas, que devem ficar mais potentes com etanol, uma vez que serão flex. A dúvida agora é se a Jeep vai instalar apenas o 1.3 turbo no Renegade, ou se irá oferecer também a opção do motor “mil”. A princípio, apenas os compactos Argo e Cronos terão os dois motores, mas a Volkswagen confirmou esta semana que o T-Cross nacional terá versão 1.0 TSI automática.

Jeep Renegade 2019 reestilizado (Foto: Divulgação)

 

Ou seja, caso adote o motor 1.0 turbo no Renegade, tal como fará a VW com o T-Cross, o utilitário da Jeep pagará o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) reduzido, o que será valioso na futura disputa de preços na categoria. Caso fique apenas com o 1.3 turbo, o modelo produzido em Pernambuco tende a ficar mais caro que alguns concorrentes. De toda forma, o SUV manterá a exclusividade das versões 4×4 2.0 turbo diesel no topo.