Land Rover Range Rover completa 40 anos


Marca comemora ocasião com teste drive no autódromo de Interlagos

Márcio Murta

Visando comemorar o aniversário de 40 anos da linha Range Rover, modelo que criou o segmento dos utilitários esportivos de luxo, a Land Rover realizou nesta semana um evento comemorativo no autódromo de Interlagos. O objetivo da marca inglesa durante o evento foi o de mostrar a evolução desse conceito inaugurado em 7 de junho de 1970: unir a capacidade fora de estrada de um jipe com o conforto de um Jaguar em uma só embalagem.

Três versões da linha 2010 do SUV estavam à disposição na pista: Range Rover Vogue 5.0 V8 Supercharged (SC) (R$ 399.900), Range Rover Sport 5.0 V8 SC (R$ 369.000) e a Range Rover Sport 3.0 TDV6 (R$ 279.000). Já para o traçado de estrada de terra, quatro modelos podiam ser escolhidos: um Defender 110 (R$ 139.000) e outro 90 (R$ 135.000), um Discovery 4 3.6 TDV6 (R$ 179.900) e, novamente, um Range Rover Sport 3.0 TDV6 . Antes de entrar no que por muitos seria considerado um “parque de diversões”, entretanto, a marca realizou um briefing para explicar os aprimoramentos realizados na linha.

O aniversariante estreou em sua festa os propulsores 3.0 V6 turbo diesel e o 5.0 V8 superchaged a gasolina, em substituição ao antigo 4.2 SC. A nova motorização diesel entrega 245 cavalos de potência e 61,2 kgfm de torque. Já o propulsor movido a gasolina produz 510 cavalos de potência e 63,7 kgfm de força. A configuração 3.6 V8 permanece inalterada, gerando 272 cv. Toda a linha 2010 também recebeu melhorias com a nova transmissão ZF, que realiza trocas de marcha 10% mais rápidas, além de aprimoramentos no sistema de freios, suspensão e eletrônica embarcada (tais como o dispositivo off-road Terrain Response e o controle de estabilidade).

Esteticamente o Range Rover Sport recebeu novas opções de rodas, conjunto óptico com led, aerofólio, revestimento interior e painel de instrumentos com o inédito visor de 5” de TFT (Thin Film Transistor), componente que a marca afirma ser a evolução do LCD. A linha também conta com tela touch screen com sistema de GPS HDD (de alta definição) no console central. O componente utiliza o recurso Dual View, tecnologia que permite com que os passageiros possam assistir filme, enquanto o motorista enxergue simultaneamente, no mesmo local, informações sobre o sistema de navegação. Quem se acomoda nos bancos traseiros também podem assistir filmes individualmente, por telas localizadas atrás dos encostos de cabeça dianteiros.

Os aperfeiçoamentos no interior são ainda mais perceptíveis na versão top de linha, a Range Rover Vogue. Além de utilizar o volante multifunção como o restante da linha, ela recebeu tela de TFT de 12” no painel de instrumentos, console central redesenhado e sistema de câmeras que permitem visibilidade externa do veículo em 360º. Após as explicações sobre as novidades, fui conhecer o rendimento dos veículos na pista.

Comportamento nervoso

Corri direto para o Range Rover Sport Supercharged. Ajustei a posição do banco, afivelei o cinto de segurança, reposicionei os espelhos e escutei um discreto, porém, encorpado rugido do propulsor V8 ao ligar o utilitário. Na reta oposta e miolo do circuito mantive baixo giro e explorei o torque do motor, que não deixou a desejar em momento algum, mesmo o modelo pesando 3.125 kg.

Ao chegar na subida da junção, abri mão do comportamento pacato ao selecionar a 2ª marcha e entrar na curva “atravessando” a zebra interna. No ponto de tangência, abri os pulmões do motor V8 ao fincar o pé no acelerador e deixei o giro subir até, acidentalmente, atingir o ponto de corte da injeção eletrônica do propulsor. Um toque na borboleta localizada ao lado direito da parte traseria do volante, e a 3ª marcha entra em cena, mantendo a aceleração vigorosa. 4ª e 5ª marchas são selecionadas na sequência e o velocímetro digital registrava 213 km/h ao passar pela placa de 150 metros de distância para a curva, o ponto estabelecido para iniciar a frenagem.

Piso forte no pedal e os discos de 380 mm na
Fonte: Terra Carro Online