Lifan 620, o sedã de R$ 50 mil para concorrer com o Civic

Agência Auto Informe | 12/12/2008 – 15h05

A Effa Motors chegou ao Brasil desafiando os concorrentes. Depois de apresentar, no início de 2008, o carro mais barato do Brasil – o M100, que custa R$ 23 mil – trouxe dois sedãs e um hatch com preços de tirar o sono das montadoras tradicionais. Resta saber se o mercado vai absorver um carro de procedência chinesa, tido – por preconceito ou não – como de pior qualidade.
O M100 é da marca Hafei, que tem também uma van e uma picape pequenas. Os carros de passeio são da marca Lifan, também chinesa. O Hatch 520 é o mais barato, custa R$ 30 mil na versão com motor 1.3 e R$ 35 mil na versão com motor 1.6. Ambos já vêm de série com ar-condicionado, direção com ajuste de altura, direção hidráulica, vidros elétricos e rádio toca fita.

O sedã pequeno é o 520, que custa R$ 35 mil já com direção hidráulica, ar-condicionado, direção com ajuste de altura e abertura interna do porta-malas. Tem motor 1.3 de 86cv e 1.6 de 104cv e concorre diretamente com o Siena, o Voyage e o Fiesta Sedã. Se incluirmos os mesmos opcionais nos carros feitos no Brasil, o Lifan 520 vai custar R$ 3,5 mil mais barato que o Siena, R$ 3,3 mil mais barato que o Fiesta e R$ 2,6 mil menos que o Voyage.

A diferença de preço na categoria superior é maior ainda. O sedã Lifan 620 concorre, segundo a Effa Motors, com o Corolla, o Civic e o Vectra. Tem ar-condicionado, direção hidráulica com ajuste de altura, espelho retrovisor com sinalizador de direção, freio a disco nas quatro rodas e vidros elétricos e custa R$ 50 mil. O Corolla básico tem motor 1.8 flex de 138cv, ar-condicionado, direção elétrica com ajuste de altura e profundidade e vidros e travas elétricas e custa R$ 61,9 mil e o Vectra Expression com os mesmos itens custa R$ 57,5 mil.

Otavio Tasso, gerente de Marketing da Effa, diz que a empresa está tendo problemas para a legalização dos produtos no Brasil e insinuou que estaria sendo preterido por órgãos como o Ibama e a Cetesb, responsáveis pela homologação dos produtos importados. Disse que o processo de homologação “está muito complicado”.

A empresa já tem, 16 concessionárias no Brasil, sendo 12 em São Paulo e mais representantes em Campinas, Vitória, Belo Horizonte e Curitiba. Em 2009 pretende aumentar a rede para 70 pontos de venda, ano em que deve vender 10 mil unidades dos seis modelos das duas marcas (Hafei e Lifan) no Brasil.

Fonte: Webtranspo