Lojas de carros devem manter promoções


Cleide Silva e Paulo Darcie/AE

SÃO PAULO – Lojas abertas até as 22 horas ontem marcaram o último dia oficial de redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os carros. Nos próximos dias, porém, várias revendas devem manter promoções. Antes do mês terminar, na terça-feira, as vendas em todo o País já atingiram volume recorde de 322,4 mil veículos. Com o resultado de ontem, o saldo deve ficar pouco abaixo de 350 mil unidades, volume que dificilmente será repetido nos próximos meses.

O recorde anterior de vendas, incluindo caminhões e ônibus, era de setembro de 2009, com 308,7 mil unidades. Das vendas até o dia 30 de março, 95% são de automóveis e comerciais leves. No acumulado do trimestre, a soma chega a 756,6 mil unidades, 108 mil a mais do que no mesmo período de 2009.

Estoques. As concessionárias devem iniciar abril com estoques na casa dos 200 mil veículos, o que dará margem para a manutenção de descontos, mesmo que o IPI seja repassado aos preços de tabela. O aumento deve ficar entre 3% e 4%. Ontem mesmo, o grupo Palazzo, da GM, já anunciava a manutenção do corte do imposto até domingo.

Foi só ontem, último dia do corte, depois de pesquisar e “chorar” com o vendedor, que Nilza Ferreira Rabeca, de 56 anos, comprou um Ford Ka para a filha Camila. “Dei uma entrada grande e financiei o resto”, diz. O administrador de empresas José Augusto Júnior trocou seu carro e o da esposa. “Há cinco meses troquei meu carro. Nessa semana comprei um para minha esposa com desconto de mais de R$ 1 mil no preço.”

Ontem, a concessionária Citroën Rivoli já não tinha mais nada no estoque. “Acabou. Não temos nada para pronta entrega”, disse o gerente Wolf Rodrigues. Na concessionária Fiat Ventuno, segundo o gerente Miguel Salvador, seis modelos estavam esgotados.

Juros. Apesar do fim do corte do IPI, ainda é um bom momento para fazer negócio por causa da queda da taxa de juros do financiamento. “A retirada do desconto do IPI diminuirá o impulso pela compra, mas o ambiente continua sendo favorável”, destaca Cláudio Felisoni, presidente do Conselho do Programa de Administração de Varejo (Provar/FIA).

Levantamento da associação de empresas financeiras de montadoras (Anef) mostra que os juros caíram de 22,42% ao ano em fevereiro de 2009 para 18,16% em fevereiro deste ano.

Outro fator apontado pelo economista da consultoria de varejo MSantos, Ayrton Fontes, é a forte concorrência entre os bancos, que derruba ainda mais os juros. O presidente da Anef, Luiz Montenegro, acredita que a tendência de compra com financiamentos deve ser mantida. “O consumidor pode compensar o desconto do imposto com uma boa taxa de juros no financiamento.”

Especialistas lembram, porém, que quem quiser aproveitar as taxas deve se programar porque a expectativa é que, a partir deste mês, o BC comece a aumentar a taxa básica de juros.

Fonte: Diário do Comércio