Longa Duração: Hyundai Creta está saindo como entrou

    <span class=”hidden”>–</span>Quatro Rodas

    Quem acompanha esta seção há algum tempo, já sabe como ela funciona, mas não custa explicar de novo para quem está começando a acompanhar este reality show automotivo que é o Longa Duração.

    Para começar, todos os nossos contatos com a rede autorizada (da compra às revisões) são feitos sem nos identificarmos como QUATRO RODAS.

    Assim que um novo carro chega, mais de 200 pontos recebem uma marcação exclusiva, indelével e indefectível no sentido de nos permitir detectar uma tentativa de manutenção não autorizada.

    Aos 1.000 km, ele segue para o nosso campo de provas, onde é submetido a uma completa bateria de testes. Já no fim da jornada, aos 60.000 km, ele retorna à pista e passa pelas mesmas avaliações. É nessa fase final que se encontra o Creta.

    Ao retornar de Limeira (SP), onde fica a pista, o piloto de teste Jorge Luiz Alves comentou: “Estou impressionado. O Creta parece um carro semi-novo. Suspensão, motor, acabamento, tudo parece perfeito”.

    Dito isso, fomos comparar as fichas de resultados dos testes inicial e final –  veja quadro abaixo. Das 15 leituras contempladas, o Creta foi melhor em onze itens aos 60.000 km, ante apenas três aos 1.000 km, além de um rigoroso empate nos dois testes no consumo rodoviário (12,7 km/l) e na retomada de velocidade de 40 a 80 km/h (4,5 s). 

    Péricles Malheiros, editor de Longa Duração, também elogiou o SUV.

    “Vidros, travas e retrovisores elétricos, volante, bancos, ar-condicionado, pedais e alavanca de câmbio são pontos de contato. Por serem os que mais conectam homem e máquina, são também os que mais dizem sobre a qualidade da cabine. E todos esses itens chegaram ao fim do teste trabalhando com o mesmo nível de ruído e eficiência do início.” 

    Agora, é aguardar para ver se o desmonte vai confirmar a boa impressão geral ou se vai revelar algo além do que nossos olhos e ouvidos puderam detectar.

    Hyundai Creta – 60.220 km

      Ficha técnica

      • Versão: Prestige 2.0 16v
      • Motor: 4 cilindros, dianteiro, transversal, 1.999 cm3, 16V, 166/156 cv a 5.600 rpm, 20,5/19,1 mkgf a 4.700 rpm
      • Câmbio: automática, 6 marchas
      • Combustível: flex (gasolina)
      • Seguro (perfil QUATRO RODAS): R$ 3.695
      • Revisões (até 60.000 Km): R$ 3.249
      • Combustível no mês: R$1.185

      Teste de pista (com gasolina)

              1.021km         60.005 KM
      0 a 100 (s) 10,8 10,4
      0 a 1000m (s/km/h) 32,1 31,8
      40 a 80 km/h (s) 4,5 4,5
      60 a 100 km/h (s) 5,8 5,9
      80 a 120 km/h  7,4 7,2
      60km/h a 0 (m) 16,6 15,9
      80 km/h a 0(m) 29 27,9
      120 km/h a 0 65,9 65,1
      Consumo urbano 8,7 9,7
      Consumo rodoviário 12,7 12,7
      Ruído PM/RPM máx (dBA) 43,1/ 64,6 34,2/72,6
      Ruído a 80/120 km/h (dBA) 62,3/70,2 61,6/67,5