Lucro global da GM cresce 74%, mas América do Sul registra o maior prejuízo da companhia

 Resultados na América do Norte turbinam o balanço de nove meses
REDAÇÃO AB

Apesar do faturamento global de US$ 112,7 bilhões ser 3% menor do que o verificado nos primeiros nove meses de 2014, a General Motors divulgou semana passada lucro líquido com substancial alta de 74% no mesmo período, somando US$ 3,4 bilhões no acumulado de janeiro a setembro. O resultado do terceiro trimestre, contudo, ficou estacionado em US$ 1,36 bilhão, muito próximo do US$ 1,47 bilhão apurado em idêntico intervalo do ano passado. A principal contribuição positiva veio da operação na América do Norte, seguida pelas vendas na Ásia, enquanto a Europa reduziu as perdas quase pela metade e a América do Sul mais que dobrou o prejuízo. Devido ao forte recuo das vendas no maior mercado da região, o Brasil, a divisão GM América do Sul GMSA apresentou o maior prejuízo do grupo. O Ebit resultado antes de impostos e despesas ou ganhos financeiros apurado na região entre janeiro e setembro apontou resultado negativo de US$ 575 milhões, uma expansão de 114% sobre a perda de US$ 269 milhões registrada no mesmo período de 2014. A divisão europeia GME continua no vermelho, mas reduziu em 47% o prejuízo, com Ebit negativo de US$ 515 milhões, contra US$ 976 milhões nos nove primeiros meses de 2014. O maior ganho da companhia foi apurado na América do Norte, turbinado pela recuperação nos Estados Unidos, mercado que representou em nove meses 51,6% das vendas em todo o mundo. O Ebit contabilizado pela divisão GMNA foi de US$ 8,25 bilhões, expressivos 87,6% maior do que os US$ 4,4 bilhões apurados em 2014 até setembro. Englobando Ásia-Pacífico, África e Oriente Médio, os resultados da divisão GM International Operations GMIO continuam positivos, com Ebit de US$ 989 milhões em nove meses, 19,7% acima dos US$ 826 milhões apurados em idêntico intervalo do ano passado. Excluindo os veículos produzidos por joint ventures, as vendas totais da GM no mundo somaram 4,36 milhões de unidades de janeiro a setembro, cerca de 90 mil a menos do que 4,45 milhões vendidos no mesmo período de 2014. Mais da metade foi vendida na América do Norte 2,64 milhões, +7%, seguida por 847 mil na Europa -2,5%, 435 mil na América do Sul -31,7% e 431 mil -9,8% nos países da GMIO. “Estes resultados refletem nosso trabalho para capitalizar nossa força nos Estados Unidos e China, enquanto adotados passos decisivos e proativos para mitigar os desafios em outros lugares”, avaliou Mary Barra, CEO da GM, em comunicado distribuído pelo grupo após a divulgação dos resultados na semana passada. “A GM é uma companhia totalmente diferente hoje do que era há apenas cinco anos. Estamos construindo fundações sólidas, aumentando ganhos em nosso negócio principal e executando um plano para liderar a mobilidade pessoal do futuro, tudo com o objetivo de criar valor aos acionistas nos anos por vir”, acrescentou.
Fonte: Automotive Business