MAN Latin America estuda fabricar caminhões na Argentina

 Objetivo é aumentar participação e liderar o mercado no país vizinho
PEDRO KUTNEY, AB

“Não faz sentido sermos líderes de vendas de caminhões no Brasil e não sermos na Argentina também. Nosso objetivo é ganhar a liderança lá também.” Assim Roberto Cortes, CEO da MAN Latin America, responde à pergunta sobre se a empresa pretende fabricar produtos em solo argentino, onde as marcas Volkswagen e MAN têm menos de 10% do mercado, atrás da Ford e da líder Iveco, que domina perto de 25% das vendas com a fábrica mais completa de veículos comerciais do país. A fabricação local é essencial para acessar as linhas de financiamento mais atrativas oferecidas pelo governo argentino somente a caminhões montados localmente. “Ainda não temos uma definição sobre isso, mas parece óbvio dentro do Mercosul construir alternativas de trocas de produtos fabricados em ambos os países, fazendo algumas coisas lá e outras aqui. Vamos esperar pelas definições do novo governo recém-eleito e verificar as possibilidades. Se for viável poderemos no futuro fazer lá alguns produtos”, explica Cortes. Entre as possibilidades estudadas, está o aproveitamento de sinergias dentro do Grupo Volkswagen, que mantém em operação na Argentina a fábrica de Pacheco, nos arredores de Buenos Aires, onde é fabricada a picape Amarok, e uma unidade de produção de transmissões em Córdoba. “Já fizemos isso no México, quando aproveitamos a estrutura que a Volkswagen tinha em Puebla para começar a montar caminhões lá. Podemos fazer algo parecido na Argentina, construindo uma linha dentro de umas das fábricas que existem”, explica Cortes. Além do Brasil, a MAN Latin America tem linhas de produção no México e na África do Sul, para onde envia a maior parte dos componentes para a montagem de caminhões Volkswagen nesses países. Na Argentina, a própria empresa administra as importações e distribuição aos concessionários.
Fonte: Automotive Business