Mercado de carros de luxo vive novo boom nos EUA

Fabricantes como Maserati, Lamborghini e Bentley deixam crise para trás e voltam a crescer mais de 10% no mercado americano

DETROIT – Matt Hlavin, um empresário de Cleveland, que tem sete negócios diferentes, a maior parte deles na área industrial, comprou três Mercedes no ano passado: uma SLS AMG de US$ 237 mil e uma S63 AMG de US$ 165 mil para ele e um utilitário GL 550 para sua esposa. “Eu vejo a situação desta forma: já que eu não tenho um barco…”, diz Hlavin. “E eu estou confiante na economia e no meu negócio.”

Uma legião de consumidores, animados com a economia em expansão e o otimismo do mercado financeiro, estão abandonando toda a relutância ou restrição que tinham durante a recessão. Eles simplesmente estão entrando nos showrooms e saindo com carros de luxo. “O luxo deixou de ser algo sujo”, diz Robert Ross, um consultor automotivo da Robb Report, uma revista de estilo para milionários. “Em 2008, luxo era uma palavra suja.”

A Maserati está abrindo novas concessionárias ao redor dos Estados Unidos, a Rolls-Royce fechou seu ano mais lucrativo no país e até marcas mais comuns, como a Mercedes e a Jaguar, estão encontrando clientes ávidos por seus modelos mais caros, que custam mais de US$ 100 mil.

Crescimento das vendas. As vendas estão no maior nível para este mercado e caminham a um ritmo bem mais rápido do que o da indústria como um todo, resultado direto da oferta de crédito e da demanda represada. De janeiro a novembro de 2013, as vendas de carros de luxo subiram 8,4%, na comparação com o mesmo período do ano anterior.  

A Maserati liderou a tendência, com vendas 55% maiores no ano passado, seguida por expansões acima de 10% em marcas como Rolls-Royce, Jaguar, Lamborghini, Porsche e Bentley, de acordo com dados da Autodata Corporation. A maior parte dessas marcas vendeu mais carros nos primeiros 11 meses de 2013 do que em todo o ano de 2007, antes do estopim da crise financeira de 2008 nos EUA.

Entre os consumidores mais famintos pelos modelos de luxo estão empresários de setores como tecnologia e energia, além de executivos de algumas das 500 maiores empresas dos Estados Unidos. “As pessoas estavam se contendo, mas agora elas deixaram a ideia para lá”, diz o presidente da concessionária Collection in Coral Gables, Flórida. “Antes, elas até vinham e comparavam, mas só da mesma cor e do mesmo modelo, para que ninguém soubesse que tinham um carro novo.”

“Agora, isso ficou para trás, não importa mais”, diz Gorin. “Carros amarelos, azuis, vermelhos, brancos – as pessoas estão se sentindo melhor em ter dinheiro para comprar veículos de luxo novos.”

As vendas da Collection – que trabalha com marcas como Ferrari, Aston Martin, Maserati e McLaren – subiram 26% sobre 2012 e quase dobraram em relação à recessão de 2009, de acordo com Gorin.

Os consumidores de luxo estão dizendo que o momento é ideal para compras. E, segundo as concessionárias, a maior parte dos pagamentos, especialmente para modelos acima de US$ 150 mil, é feita em dinheiro. “Existe um entusiasmo para se comprar um carro novo”, diz Stephanie Brinley, uma analista da IHS Automotive. “As pessoas que se recuperaram mais rápido da crise têm confiança em gastar.”


 

Fonte: O Estado de São Paulo