Mercedes-Benz contratou 1,4 mil pessoas na região


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

Com a perspectiva de retomada do mercado automotivo em 2010 e o aquecimento da demanda já observado nos primeiros dois meses deste ano, a Mercedes-Benz contratou, desde o fim de outubro, 1.400 pessoas para a fábrica de São Bernardo. Atualmente são 11,6 mil funcionários na unidade do Grande ABC.

As previsões da empresa são bastante favoráveis. Do total comercializado (no mercado interno e externo) de 51,5 mil unidades no ano passado, a montadora projeta chegar às 68 mil, alta de 32%.

E os números no primeiro bimestre justificam essa previsão otimista. As vendas de caminhões Mercedes, por exemplo, de janeiro e fevereiro, somaram 6.632 unidades, 77% mais que no mesmo período do ano passado.

Além do impulso esperado nas vendas no País, o presidente da Mercedes-Benz, Jürgen Ziegler, também confia em melhora das encomendas ao Exterior. A previsão é passar do total de 3.000 caminhões exportados em 2009, para 4.000 neste ano; e dos 6.500 ônibus embarcados no ano passado para 12 mil em 2010.

Apesar da reação no campo externo, o vice-presidente de recursos humanos, Jackson Schneider, salientou que a queda no ano passado foi muito grande. O segmento nacional de caminhões, por exemplo, teve retração de 65% em volume negociado a outros países.

Ele também considera que o câmbio depreciado (o real valorizado frente ao dólar) evidencia problemas estruturais brasileiros como a carga tributária elevada, que dificultam a competitividade com outros países.

HORAS EXTRAS – A montadora tem atualmente capacidade instalada de 65 mil unidades por ano e, por isso, tem havido a necessidade de operar por meio de horas extras. “Vamos ampliar para 75 mil unidades para poder avançar sem precisar de jornadas extras”, afirmou Schneider.

O investimento na fábrica também deverá gerar novas contratações, mas Schneider ressaltou que isso só deve ocorrer quando a ampliação for efetivada, no fim de 2011. Ele disse que não é possível prever quantos empregos serão criados, por enquanto, em função de variáveis como o comportamento do mercado daqui a dois anos e o aumento de produtividade propiciado pela modernização da fábrica.

Fonte: Diário do Grande ABC