Montadoras dão férias coletivas a 47 mil

FÁBIO AMATO
da Agência Folha, em São José dos Campos
DIMITRI DO VALLE
da Agência Folha, em Curitiba

As férias coletivas e folgas anunciadas pelas montadoras para este mês e dezembro estão atingindo pelo menos 47 mil funcionários em todo o Brasil. Esse número equivale a 41,6% da força de trabalho do setor, que conta com 113 mil empregados (incluindo fábricas de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus) no país.

Essas medidas foram adotadas devido ao desaquecimento na venda de veículos a partir de outubro, provocado pela redução do crédito para financiamento. As grandes empresas do setor –como GM, Volkswagen, Fiat, Ford, Peugeot/Citroën e Renault/Nissan– já anunciaram férias coletivas no período.

Dados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores) apontam que, em outubro, houve queda de 11,6% no número de veículos emplacados no país em relação a setembro.

Novembro deve fechar com retração ainda maior. Segundo a Fenabrave, na primeira quinzena deste mês foram emplacados 89.850 veículos, contra 112.557 em igual período de outubro –decréscimo de 20,1%.

A reportagem procurou a Anfavea (associação das montadoras) e o Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano do Sul (SP) para saber se o número de trabalhadores envolvidos nessas paralisações é recorde. A Anfavea disse não dispor de dados para fazer tal afirmação.

O presidente do sindicato de São Caetano, Aparecido Inácio da Silva, disse que a paralisação “é uma das maiores já registradas no setor”, mas que já houve crises mais graves, envolvendo demissões, como a que aconteceu após os atentados do 11 de Setembro, ou na década de 1980, com a crise do petróleo.

Maior número é da GM

Entre as montadoras, aquela que deverá deixar o maior número de funcionários em casa é a GM. As férias coletivas anunciadas pela empresa atingem 14.100 trabalhadores nas fábricas de São José dos Campos (SP), São Caetano do Sul (SP) e Gravataí (RS).

Na fábrica gaúcha, onde são produzidos os modelos Celta e Prisma, os 5.200 metalúrgicos estão atualmente cumprindo um período de 19 dias de férias coletivas. Na próxima segunda-feira, eles voltam ao trabalho, mas só por cinco dias. Em 6 de dezembro, a unidade volta a parar e só vai retomar as atividades em 5 de janeiro de 2009.

Por meio de sua assessoria, a GM informou que as férias coletivas concedidas a seus funcionários têm como objetivo reduzir os estoques nas fábricas e nas concessionárias.

“É um período [de férias coletivas] que consideramos fora do comum”, disse Robson Jamaica, coordenador da delegação sindical na montadora do grupo Renault/Nissan, em São José dos Pinhais (PR), onde 2.700 trabalhadores vão ficar em casa entre 1º de dezembro e 5 de janeiro.

Fonte: Folha Online