Montadoras de SP perdem espaço na produção nacional

AE – Agencia Estado

SÃO PAULO – Mesmo com o mercado brasileiro em ascensão, o que levou ao recorde de 2,97 milhões de veículos produzidos no ano passado, o Estado de São Paulo continua perdendo espaço no mapa nacional da produção automobilística. As fábricas paulistas ainda são responsáveis pela maior fatia da produção, mas a participação no bolo total caiu para 43,7%, ante 47,4% no ano anterior.

No início dos anos 90, quando a nova leva de fabricantes chegou ao País, São Paulo detinha 74,8% da fabricação nacional de veículos. Com a decisão das empresas de se espalhar por outras localidades, o Estado perdeu fatias do bolo para regiões como a Bahia, que na época nem figurava no mapa produtivo e hoje detém 7,6% da fabricação nacional. A Bahia abriga uma unidade da Ford desde 2001.

Minas Gerais, que já tinha a Fiat e depois recebeu a Iveco e a Mercedes-Benz, recuperou a participação de 24,5% da época, depois de sua representatividade cair para 21,7% em 2006. Outro que ganhou pontos foi o Paraná, ao saltar de 0,5% em 1990, quando abrigava apenas a Volvo, para 10,9% no ano passado, já com as unidades da Renault/Nissan e da Volkswagen. O Rio Grande do Sul, que há 18 anos era sede apenas da Agrale e depois recebeu a General Motors, viu sua participação saltar de 0,2% par 6,8% depois da chegada da GM. Também passaram a constar no mapa o Rio de Janeiro, hoje detentor de 5,6% da produção com a Volkswagen Caminhões e a PSA Peugeot Citroën, e Goiás, com 0,9% de contribuição da Mitsubishi. Recentemente, o Estado também recebeu a Hyundai/Caoa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Fonte: Agencia Estado