Motor usa óleo vegetal como combustível


O grupo Fiat, por meio da FPT – Powertrain Technologies, investe no desenvolvimento de um motor para máquinas agrícolas movido a óleo vegetal puro. O combustível poderá ser produzido nas próprias unidades rurais. A substituição do diesel convencional no motor desenvolvido com o Instituto Nacional de Metrologia e Qualidade Industrial (Inmetro) pode representar 30% de economia e chegar ao mercado no fim do ano que vem.

O novo motor está em testes no câmpus do Inmetro, em Duque de Caxias (RJ), com a participação do grupo de engenharia automotiva da FPT Powertrain Technologies, a unidade que produz motores para o grupo Fiat no Brasil. A multinacional quer aumentar sua participação no mercado de máquinas agrícolas, especialmente as voltadas para pequenos agricultores.

O protótipo pode gerar um trator que dispensa a compra de combustível. O insumo poderá ser preparado pelo próprio agricultor com sementes oleaginosas, como soja e girassol. Segundo Romeu Daroda, coordenador do projeto no Inmetro, a produção caseira, livre de impostos, pode chegar a um custo final de R$ 0,70 por litro, cerca de 30% abaixo do biodiesel industrializado. “Até hoje, tínhamos de estudar formas de converter o óleo vegetal em algo que se assemelhasse à aparência química dos combustíveis tradicionais e, assim, usar nos motores disponíveis na indústria. O que estamos fazendo é adaptar o motor ao combustível”, explica Daroda.

Óleo puro

O projeto do Inmetro e da Fiat foi apresentado dia 1º de junho no 10º Challenge Bibendum (Riocentro, Rio de Janeiro). Na ocasião o chefe da Divisão de Química do Inmetro, Valnei Cunha, informou que o programa tem três linhas básicas de atuação: bioetanol, biodiesel e óleo vegetal. “Firmamos essa parceria com a Fiat para desenvolver tecnologia para motores de ciclo diesel, para operar diretamente com óleo in natura, sem a necessidade de transformá-lo em biodiesel”.

Em um primeiro momento a intenção é trabalhar com motores que equipam tratores utilizados por produtores rurais ou cooperativas de agricultores familiares. Cunha explicou que como não há necessidade de transformar o óleo vegetal puro em biodiesel, seu custo é menor para o produtor. Embora não exista ainda pesquisa para dimensionar a redução do custo de operação, Valnei Cunha estimou que a economia com combustível seria de até 30%.

O uso do óleo vegetal no motor pode reduzir em torno de 20% as emissões de gases poluentes. As pesquisas feitas no laboratório de motores do Inmetro, em Duque de Caxias, RJ, visam a garantir que o motor não tenha nenhum problema durante o seu ciclo de vida.

Fontes: Agência Brasil, Estadão e Agência Estado.

Fonte: Automotive Business