Longa Duração: como se saiu a rede Mitsubishi na 1ª revisão do Outlander

Pouco antes da revisão, Outlander foi até Lorena, no interior paulistaEduardo Campilongo/Quatro Rodas

Nosso piloto de testes Eduardo Campilongo é um dos principais responsáveis por acompanhar os carros de Longa Duração durante as revisões programadas.

Edu é quem costuma agendar a revisão, levar o carro até a concessionária e, depois, passar na oficina Fukuda Motorcenter, onde nosso consultor técnico, Fabio Fukuda, vistoria os serviços prestados pelas concessionárias.

Ao cuidar da primeira revisão do Outlander, Edu disse: “A cordialidade me fez lembrar do padrão Toyota. Quando recebeu o carro, a consultora da MitNorth deu total atenção às minhas queixas”.

As tais queixas eram quatro: banco do motorista com uma discreta folga entre o assento e o trilho (o condutor sente que o banco se desloca discretamente para a frente e para trás), acabamento da soleira inferior da porta dianteira esquerda solta, necessidade de abertura manual da tampa elétrica do porta-malas e microfone do sistema viva-voz inoperante.

Pela revisão (troca de lubrificante do motor, filtros de óleo, combustível e ar-condicionado e aditivos para diesel e lavador do para-brisa), pagamos menos que o valor sugerido pela Mitsubishi, R$ 1.039 ante R$ 1.108.

Desembolsamos ainda R$ 250 por alinhamento, balanceamento e rodízio.

São valores compatíveis com o que pagamos na primeira revisão do Jeep Compass turbodiesel de Longa Duração, desmontado em fevereiro de 2019.

No entanto, há uma diferença entre o plano de manutenção dos dois jipões: enquanto as revisões do Compass são a cada 20.000 km, no Outlander ocorrem a cada 10.000 km.

Apesar da cordialidade, veio a decepção após dois dias de serviço. A soleira da porta continuava solta e foi reencaixada na hora da retirada e a folga do banco e o funcionamento elétrico parcial da tampa traseira foram considerados como característica do Outlander.

“Muitos donos reclamam dos mesmos pontos. Reajustamos o banco, mas ele realmente tem um pequeno deslocamento. A tampa traseira está normal. É só pelo botão interno que a tampa funciona de modo automático na abertura e no fechamento. Por fora, ela só é elétrica para fechar. É estranho, mas é assim mesmo”, disse a técnica.

O microfone, que a consultora da MitNorth disse ter reparado, segue inoperante. E olha que testamos com celulares com sistema Android e iOS.

Mitsubishi Outlander – 11.665 km

Ficha técnica:
Versão:2.2 Turbodiesel HPE-S
Motor:4 cilindros, dianteiro, transversal, 16V, 165 cv a 3.500 rpm, 36,7 mkgf a 7.500 rpm
Câmbio:Automático de 6 marchas, tração 4×4
Combustível:Diesel S10
Seguro:R$ 3.904 (Perfil Quatro Rodas)
Revisões:Até 60.000 km – R$ 7.644
Gasto no mês:Combustível: R$ 2.364
Revisão: R$ 1.039
Alinhamento: R$ 250
Consumo:No mês: 11,1 km/l com 44,8% de rodagem na cidade Desde jul/19: 11,9 km/l com 28,8% de rodagem na cidade