Nova linha da Mini terá oito carros

Marca aposta em menos modelos e plataforma modular para ter mais lucro

Nessa nova geração, a Mini irá promover duas mudanças muito importantes: sua quantidade de veículos irá reduzir para oito carros; e todos usarão a mesma plataforma modular UKL, de tração traseira – que também será usada em alguns carros da BMW.

O primeiro desses carros, obviamente, é o Cooper, já lançado também como Cooper S, ambos hatches de duas portas. A versão de quatro portas chega às lojas em janeiro, seguida pela versão conversível. A BMW também cogita lançar um Mini mais ecológico, elétrico ou híbrido.

Em seguida será a vez do Countryman. O modelo atual passará por uma reestilização ainda este ano, ao lado do Paceman – ambos já foram revelados no Salão de Nova York EUA e serão lançados na Europa nesse semestre. No Brasil, devem ser apresentados durante o Salão do Automóvel, entre 30 de outubro e 9 de novembro, para chegar às lojas no início de 2015. A nova geração irá demorar: o Countryman deve aparecer em 2017, enquanto o Paceman fica para 2018.

No ano que vem teremos o Clubman, que será apresentado no Salão de Genebra Suíça e deve ter sua produção iniciada em julho do mesmo ano. A versão perua do Mini vai tentar competir com o Fiat 500L na Europa.

Fechando a linha está o Roadster. Além de ser o sucessor do modelo anterior de mesmo nome, o conversível irá aposentar o Coupé. A Mini considerou acabar com o Cooper conversível e deixar o Roadster como a única opção sem teto.

Fonte: CarDriver