Novo Volkswagen Jetta tem mudanças na Europa


da Redação

Um das estrelas do Salão do Automóvel de São Paulo, o Volkswagen Jetta teve revelada sua versão destinada ao mercado europeu. Se nos EUA o modelo tem um apelo mais popular, na Europa ganha um banho de loja para agradar uma cliente tradicionalmente mais exigente.

A versão europeia do novo Jetta muda pouco por fora

Externamente as mudanças são mínimas. Os faróis perdem os repetidores de direção laranjas, obrigatórios na América do Norte. Nas lanternas traseiras acontece o contrário: os repetidores trocam o vermelho pelo laranja. Outra diferença está na moldura inferior do parachoque traseiro, que passa a ser preta.

Dentro a Volkswagen trocou os revestimentos em plástico mais rígido da versão norte-americana por outros emborrachados, de toque mais agradável. Tecidos de bancos e portas também são superiores. Os comandos do sistema de climatização também têm mudanças e são mais elaborados.

O interior é mais refinado e há mudanças na parte mecânica

As maiores alterações, contudo, estão na parte mecânica. Começa pela suspensão traseira, que adota a configuração multibraço – de comportamento dinâmico melhor – em todas as versões. Nos EUA, o eixo de torção equipa as variantes 2.0, 2.5 e 2.0 TDI e somente a topo 2.0 TFSI utiliza a multibraço.

A gama de motores também é nova. Todas as versões a gasolina têm injeção direta e turbompressor. Começa com o 1.2 (105 cavalos), passa pelo 1.4 (122 ou 160 cv) e termina com o 2.0 (200 cv). Os turbodiesel são dois. O 1.6 tem potência de 105 cv e a 2.0 atinge 140 cv.

As opções de câmbio para toda a linha são o manual de seis marchas e automatizado DSG, com seis ou sete velocidades e duas embreagens. As versões 1.2 a gasolina e 1.6 diesel estão disponíveis com tecnologia Bluemotion, com menor consumo.

Fonte: Interpress Motor