Para alta produção, solução para o País é a exportação

Com mercado interno menos demandante, montadoras devem dedicar-se ao exterior

ANA PAULA MACHADO, PARA AB

As montadoras brasileiras vão entrar em um dilema nos próximos anos: alta capacidade instalada para um mercado com crescimento mais estável. A solução, segundo o diretor da consultoria Roland Berger, Sthephan Keese, é o aumento das exportações de veículos. A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores Anfavea prevê que em 2017, as fabricantes devem embarcar 1 milhão de unidades. Em 2005, as exportações do setor chegaram a 900 mil unidades.

“O grande desafio é saber como o Brasil vai crescer nos próximos anos se a as vendas internas continuam no mesmo patamar nos últimos três anos. A única solução para as empresas é realizar um hedge natural, ou seja, aumentar as exportações e fazer um gerenciamento mais eficiente nas importações de peças”, disse Keese durante o painel Os entraves para o crescimento, realizado no Workshop Legislação Automotiva 2014, promovido por Automotive Business na segunda-feira, 6, em São Paulo.

Segundo o consultor, nos próximos anos, com os investimentos das empresas em aumento da produção e a entrada de novos concorrentes, a capacidade instalada das montadoras no País chegará a 6,5 milhões de veículos. Hoje, podem ser produzidos por aqui 4,3 milhões de unidades.

“O Brasil tem portfólio e poderia participar mais ativamente de mercados emergentes, mas não tem custo competitivo para isso. O único caminho para o País é aumentar o nível de automação e tecnologia em suas fábricas, ai sim, ele conseguirá competir com outros concorrentes”, afirmou Keese.

Fonte: Automotive Business